O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

SOS Projeto Sons do Caeté

Os
cidadãos da quatrocentona Bragança, cidade histórica do Nordeste do Pará, estão
amargurados: o Instituto
AMA
, cujo trabalho é reconhecido em todo o País, está fechando suas portas,
por falta de recursos financeiros. Por isso, o projeto Sons do Caeté teve que dispensar
todos os seus professores. Apenas o professor Moisés ficará até 15 de março, quando
será executado um último concerto. Um verdadeiro Réquiem. Já não há mais professores para a Orquestra de Rabecas.
Quando
o maranhense Aurimar Monteiro de Araújo chegou em Bragança, aos 19 anos, a
cidade paraense estava em festa. Era dia do padroeiro São Benedito e o povo
celebrava a Marujada. Aurimar virou Mestre Aurimar
das Rabecas
, um dos mais renomados artesãos do instrumento na Região
Amazônica, criou 32 filhos, um biológico, também chamado Aurimar, e todos os
outros adotados, e, com seu conhecimento sobre marcenaria, construiu rabecas
para as crianças poderem tocar, idealizou o projeto Sons do Caetés e fundou uma
escola de música para ensinar violoncelo, flauta doce, flauta transversal,
trombone e tantos outros instrumentos, além da arte de construir rabecas.
Aurimar Araújo, seu filho, que hoje preside
o Instituto AMA, há mais de 5 meses teve que rescindir o contrato que a
instituição mantinha com o Criança Esperança, porque a UNESCO exige uma
contrapartida de 10%. E, devido ao estado de saúde do patrono do projeto,
Mestre Aurimar das Rabecas, a família não pode mais investir na escola. Aurimar
vai convidar a imprensa bragantina para informar os motivos que levam ao encerramento
das atividades e a destinação de todo o patrimônio adquirido ao longo dos 10
anos do projeto. E acalenta a esperança de que a situação seja revista e que de
alguma forma tenha a ajuda da sociedade, de empresas e do governo.
É preciso que os ditos representantes da
região bragantina se mobilizem e façam algo para salvar a instituição. Quem
puder ajudar de alguma forma pode contactar com Aurimar pelos telefones
96325406/80986171/84843926/91310183.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *