Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Senado e Alepa põem em debate trabalho escravo


De 1995 a 2015 foram libertados em todo o País 48.705 trabalhadores submetidos a condições semelhantes às de escravos. Desse total, 12.799 foram resgatados no Pará. Os dados são da Ong Repórter Brasil. No próximo dia 7, a  Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal e a Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Pará  promoverão audiência pública em Belém para debater com a sociedade o projeto de lei 432/2013, que reduz as hipóteses do que pode ser considerado trabalho escravo no Brasil.
Para a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), o projeto representa um risco de retrocesso porque limita o conceito de trabalho escravo só para ocorrências em que se identifica o cerceamento à liberdade do trabalhador, excluindo casos em que estes são submetidos a situações degradantes. 

Como forma de alertar a sociedade sobre esse risco, este ano a Conatrae e o Ministério Público do Trabalho lançaram a campanha #somoslivres, com a presença do vencedor do Prêmio Nobel da Paz, o indiano Kailash Satyarthi.
Já a ONU publicou nota técnica advertindo que situações em que trabalhadores são submetidos a condições degradantes ou jornadas exaustivas, maculando frontalmente sua dignidade, ficariam impunes caso essa alteração legislativa seja aprovada. Leiam aqui.

A audiência pública na Alepa também vai discutir também previdência social, direitos dos trabalhadores e defesa da democracia e combate às desigualdades e preconceitos.
Será às: 14 horas, no auditório João Batista.

Cliquem aqui para ler o guia rápido para jornalistas sobre trabalho escravo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *