Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Quatro candidatos renunciam

A deputada estadual Bernadete Ten Caten(PT), o ex-prefeito de Salinópolis Vagner Curi, Marilete Rodrigues Freitas e Maria Diana Silva, todos do PDT, renunciaram às candidaturas a vagas na Alepa. 

Foram interpostas duas impugnações ao registro de Vagner Curi (PDT – PPL – PTN e PSL), pelo Ministério Público Eleitoral e Coligação “Pra Frente Pará”, alegando sua inelegibilidade. Curioso que, após a homologação do pedido de renúncia pelo relator, desembargador Raimundo Holanda Reis, sobreveio contestação às impugnações propostas, considerada, obviamente, comprometida pela preclusão e cujo arquivamento foi determinado. Parece que o cliente não conversou com o advogado sobre sua decisão de jogar a toalha. 

Maria Diana Silva (PDT – PPL – PTN E PSL) sofreu impugnação ao seu registro de candidatura pelo Ministério Público Eleitoral, que aduziu, em síntese, ausência de prestação de contas, e, consequentemente, certidão de quitação eleitoral, mesmíssimo caso de Marilete Rodrigues Freitas, da Coligação PDT/PPL/PTN/PSL. Ao invés de contestar, renunciaram.
No caso de Bernadete Ten Caten, após a distribuição do requerimento de registro de candidatura, o MPE alegou a inelegibilidade da candidata, que preferiu renunciar. O relator, juiz
Marco Antonio Lobo Castelo Branco, homologou o pedido. É uma pena. Bernadete é uma deputada ativa e dinâmica e tem sido um bom exemplo de mulher com atuação na política.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *