Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Quartel do 2º BPM: restauro e ocupação

O quartel do 2º Batalhão de Polícia Militar, situado na rua Gaspar Viana, esquina com a Av. Assis de Vasconcelos, bairro do Reduto, em Belém, tombado como Patrimônio Histórico pela Secretaria de Estado de Cultura em março de 1984 e sem uso há anos, tem sofrido a ação do tempo e a ausência de manutenção adequada, o que já prejudicou em muito sua estrutura. A edificação tem alto valor para a memória do Pará e do País, por ter sido sede, por exemplo, do vitorioso 1º Corpo da Brigada Militar do Estado, que, em 1897, sob o comando do então comandante da Brigada coronel José Sotero de Menezes, seguiu para Canudos, no sertão nordestino, onde enfrentou e venceu a Revolta de Canudos; foi onde funcionou, também, a então “Força Pública do Estado”, que combateu com sucesso os levantes “tenentistas” em Belém, em 1922. 

Com mais de 130 anos servindo a Polícia Militar, nas décadas de 1940 e 1960 foi sede do Batalhão de Infantaria da PM. Entre as décadas de 1960 e 1980 foi denominado Batalhão de Guardas da Polícia Militar, que também abrigava a banda de música da PM, a Patrulha Mirim e, durante a ditadura militar implantada pelo golpe de 1964, funcionou como aparelho de repressão e recebeu presos políticos. No início dos anos 1980 recebeu a denominação de 2º Batalhão da Polícia Militar, tendo como patrono o Alferes Tiradentes.

O prédio teve pelo menos duas grandes intervenções: uma entre o final do século XIX e início do século XX, quando a fachada recebeu adornos ecléticos e foram construídos o segundo andar e as laterais chanfradas ao estilo da belle époque, no apogeu da economia da borracha; a outra se deu no final dos anos 70, quando incorporou a área dos fundos e foi construída uma quadra de esportes. Em 2011, cedido para sediar a Casa Cor Pará, recebeu melhorias; mas, de lá para cá, só vem se deteriorando.

Os deputados federais podem e devem apresentar emendas ao orçamento da União e correr atrás de recursos a fim de viabilizar a restauração do prédio, a fim de que volte a sediar pelo menos um destacamento da PM e sirva como espaço cultural, resgatando sua importância e devolvendo aos parauaras esse equipamento que faz parte da História do Estado do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *