Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

Prefeito e secretários de Pacajá afastados pelo juiz

O juiz da Vara Única de Pacajá(PA), César Leandro Pinto Machado, de uma só tacada, afastou o prefeito Antônio Mares Pereira e os secretários Telvina Madalena Noronha (Administração), Eronaldo Pereira da Silva (Saúde), Kleber Franca Souza (Obras e Transporte), Lourival Rocha Teixeira (Desenvolvimento Econômico), Edvan Sousa Oliveira (Finanças), José Adailton Dias da Silva (Meio Ambiente), Silvana Lima de Souza (Habitação e Regulação Fundiária) e Demerval de Oliveira Lima filho (Chefe de Gabinete). Todos são acusados de cometer atos de improbidade administrativa que resultaram em prejuízo de vários milhões para a municipalidade. 

A sentença aponta descaso com a coisa pública, descumprimento de decisões judiciais, desvio de recursos públicos e enriquecimento ilícito, tudo comprovado pela Promotoria de Justiça de Pacajá, pelo Núcleo de Combate à Improbidade e à Corrupção do MPE-PA e pela Controladoria-Geral da União.

O promotor de Justiça Luiz Alberto Almeida Presotto fundamentou a medida cautelar apontando transferências de recursos da saúde para outras contas sem comprovação de despesas (R$ 485.393,67), ausência de comprovação de despesas com combustíveis (R$ 100.336,66), montagem de processo licitatório para o transporte escolar, superfaturamento na execução de contrato de transporte escolar (R$ 31.110,75), pagamentos por serviços não realizados (R$ 64.711,66), impropriedades na execução de recursos do Fundeb (R$ 2.197.553,68), utilização indevida de recursos do Fundeb (R$ 668.624,33), aquisição de combustível em quantidades incompatíveis com as necessidades do transporte escolar (R$ 403.547,32), fraude em licitações com direcionamento a empresas fantasmas e inexecução de objetos licitados, além de apropriação indébita de créditos consignados descontados dos servidores públicos e não repassados à instituição financeira, descumprimento reiterado de decisões judiciais e, por fim – mas não menos importante, ufa! -, a ausência do gestor municipal na sede da Prefeitura. 

O juiz também determinou a indisponibilidade ou sequestro dos bens móveis e imóveis do prefeito Antônio Mares Pereira no valor de R$ 4.906.900,59. E observou, ainda, que as irregularidades afetaram diretamente o pagamento dos servidores: muitos estão com os vencimentos atrasados há meses. 

Confiram aqui a decisão na íntegra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *