Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

MP quer condicionantes aos empreendimentos do Tapajós

O Ministério Público do Pará pediu  à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) complementação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e determinação de medidas mitigadoras ou ações compensatórias, incluindo condicionantes para que a licença seja emitida aos empreendimentos na região do Tapajós, que envolvem a Estação de Transbordo de Cargas LDC Tapajós e o Complexo Hidrelétrico Cupari, em Itaituba e Rurópolis. 

Em relação à Estação de Transbordo de Cargas LDC Tapajós, na região do Santarenzinho, município de Rurópolis, da empresa Louis Dreyfus Company, a análise do EIA apontou omissões significativas de âmbito socioeconômico, demonstradas em recente audiência pública. A estação deve receber grãos das principais regiões produtoras do centro-oeste do Brasil, e o MPE-PA relata malha rodoviária inapropriada, poluição ambiental, aterramento de corpos hídricos, vegetação nativa no acesso a ser construído, impacto ambiental na mata ciliar, da tubulação de escoamento de grãos para as barcaças; ausência de monitoramento em zona de aterramento no leito do rio, e vazamento de carga ou de óleo das barcaças. 

Já o Complexo Hidrelétrico Cupari Braço Leste e linhas de transmissão associadas, da Cienge Engenharia, é um conjunto composto por quatro PCHs (Castanheira, Carnaúba, Água Boa e Mangaratiba), subestações e linhas de transmissão a partir da força das águas do rio Cupari, tributário do Tapajós, que já sofre os efeitos da atividade mineradora há décadas. 

Outro projeto é a “Ferrovia dos Grãos”, considerada estratégica para o escoamento da produção graneleira. O MPPA aponta questões não vistas de forma detalhada e conclusiva no EIA, como indicação dos locais dos canteiros de obras e como será o acesso a estes; os solos para aterros devem ser extraídos das margens dos cursos d’água, e todas as áreas de empréstimos devem ter licença ambiental; e, ainda, incongruência na informação de que a linha de transmissão terá cerca de 41,5 Km, pois considerando as linhas de transmissão das quatro PCHs há um total de 83,5 Km. Outros pontos se referem à indicação do quantitativo de empregos diretos e indiretos em todas as fases do projeto e não só na fase de construção; arrecadação de impostos; indicadores do déficit habitacional, surgimento de assentamentos espontâneos e os processos de urbanização do meio rural; dados sobre saneamento, educação e insegurança fundiária. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *