0
“Carregando a canoa”, de 1986. 

A exposição “Retumbante Natureza Humanizada”, de Luiz Braga, além das peças belíssimas e de grande sensibilidade, tem características únicas: oferece uma série de atividades educativas e gratuitas. São palestras, aulas de fotografia, passeios e até um recital de poesia e música. A mostra é uma realização do Governo do Pará, via Secretaria de Estado de Cultura, e se estende até 17 de novembro, com curadoria de Diógenes Moura, no Museu do Estado do Pará, em Belém

Diógenes Moura e Luiz Braga na montagem da exposição

Nesta quinta-feira, dia 20, Luiz Braga oferece um sarau lítero-musical, em que o poeta parauara João de Jesus Paes Loureiro  vai mostrar a diversidade poética com que trabalha e a evolução formal e de linguagem que acompanha a evolução temática. Seus convidados Marcílio Costa e Antônio Moura, ao lado do violonista Salomão Habib, também recitarão poemas de sua autoria e alternarão estrofes de “O Romance das Icamiabas”, de JJ Paes Loureiro, abordando o processo criativo por trás dos escritos.  

No domingo, 23, Luiz Braga estará no MEP das 10h às 10:30h, para uma visita guiada com o público, integrada à programação do projeto Circular Campina – Cidade Velha. Às 11h, será exibido o filme “La dolce vita”, de Federico Fellini.

Já no dia 27 o professor e artista plástico Alexandre Sequeira vai discorrer acerca de “A poética e a cor na obra de Luiz Braga”, elemento central de sua produção e pelo qual se tornou conhecido nacionalmente. A palestra será em meio a um passeio didático, caminhando pelas salas da exposição no Museu. 

Encerrando o mês, no sábado dia 29, a fotógrafa Irene Almeida receberá o público infantil para uma oficina de câmera escura, na qual as crianças farão manualmente, com papel cartão, cola e papel vegetal, o objeto em que é possível perceber o princípio da formação das imagens. A atividade lúdica estimulará o olhar dos pequenos e suas percepções do mundo ao redor. Antes da atividade, Luiz Braga fará um passeio pela exposição com a turminha miúda. 
O Museu do Estado do Pará fica na Praça D. Pedro II, s/n, na Cidade Velha. O ingresso custa R$ 4, com entrada gratuita às terças-feiras. A visitação é de terça a sexta-feira, das 10h às 16h. Aos sábados e domingos, das 9h às 13h. Não percam!
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Expectativa de poder divide pedetistas

Anterior

Prefeito e secretários de Pacajá afastados pelo juiz

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *