O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Pelo Jornalismo com “J” maiúsculo

Há algo de errado quando jornalista vira notícia, a não ser, é claro, em caso de alguma distinção ou evento. Pois ultimamente, o jornalismo não só tem virado pauta como sido lançado na lama – inclusive por jornalistas – o que é lamentável, inaceitável, deprimente.  

Em plena campanha eleitoral no Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará, em que estão disputando duas chapas, a “Sou Mais Sinjor” e a “Sindicato é Pra Lutar“, jornalistas têm utilizado as redes sociais para desferir ataques ferozes e virulentos, de alto poder de destruição, contra seus próprios colegas, que deveriam ser encarados como verdadeiramente são: apenas antagonistas momentâneos, numa luta com objetivo comum. Outros se deram ao requinte de perversidade de, pessoalmente, com palavras e gestos injuriosos, ofender a honra de jornalistas mulheres, mães de família, além de profissionais dignas e respeitadas e trabalhadoras dedicadas ao sindicalismo. O assédio moral, tão denunciado em certas redações, praticado ao vivo e em cores pelos próprios jornalistas que os execram em público. Que vergonha!

Em pleno ano eleitoral, em que todos deveríamos fazer campanha contra os políticos que emporcalham as cidades com propaganda, eis que há uma chapa pichando Belém e, pior, utilizando indevidamente o nome do Sindicato, o que enxovalha a própria entidade, depõe contra todos nós, jornalistas – que certamente, em maioria absoluta, não apoiamos e não queremos contribuir para essa imundície -, e ainda por cima poderá acarretar alguma medida legal contra o Sinjor-PA, o que seria injusto, porque a isso a instituição não deu causa. 

Outros, fora da disputa eleitoral, truculentos, antiéticos, verdadeiros párias, fazem jus à sua fama e constrangem toda a categoria. Triste  situação!

Posso me manifestar com muita serenidade porque não integro qualquer das chapas em disputa, tenho amigos em ambos os grupos, não me filio a nenhum partido ou movimento sindical, mas sou jornalista militante, participo ativamente do Sinjor/PA – sem pertencer à diretoria, é bom esclarecer -, e sou presidente da Comissão da Verdade dos Jornalistas no Pará. 

É evidente que a atual diretoria do Sindicato cometeu erros e que precisa avançar muito nas conquistas da categoria. Mas qual a entidade sindical que não erra e que já conquistou tudo o que seus associados almejam? Por outro lado, se os jornalistas não comparecem às reuniões para deliberar o que deve ser feito, durante mais de uma década, não podem pretender posar de paladinos da categoria quando decidem se candidatar. Somos poucos, não podemos nos dispersar. A campanha eleitoral deve servir para debater propostas e não para agressões pessoais gratuitas. 

Eu apoio o Sinjor-PA, embora não faça parte e nem queira fazer de sua diretoria, porque isto significa apoiar os meus colegas jornalistas, em todas as situações em que precisem, fortalecer nossa luta por melhores condições de trabalho, por respeito aos nossos direitos constitucionais. Isto deveria ser compreendido por todos os colegas, com a devida distinção entre o que é instituição e o que é chapa candidata. Pelo bem de nós, jornalistas. E do Jornalismo, com “J” maiúsculo, a melhor profissão do mundo, como bem o disse o fantástico Gabriel García Márquez.  


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *