Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Palavras de Autores

O que o escritor, jornalista, romancista, roteirista e cenarista francês Jean-Paul Delfino e o jornalista, escritor e dramaturgo parauara Edyr Augusto Proença têm em comum?

Delfino se mudou para o Brasil e o traduz com perfeição, é especialista em Bossa Nova, já escreveu 7 mil páginas sobre o cenário brasileiro, inclusive romances históricos, ao longo de trinta anos. Edyr tem vários livros traduzidos para o francês: Moscow, Casa de caba (com o título Nid de vipères)Os éguas (com o título “Belém”), tão aplaudido pela crítica parisiense que ganhou em 2015 o prêmio Camaléon de melhor romance estrangeiro, na Université Jean Moulin. Faz tanto sucesso com seu estilo singular que virou figurinha carimbada em eventos culturais franceses. Já participou, por exemplo, do festival Quais du Polar, em Lyon, como convidado e palestrante do festival Étonnants Voyageurs em Saint-Malo, e do Salão do Livro de Paris.  

Pois os dois vão protagonizar um debate literário no próximo dia 1º, às 19h, no Salão Cultural da Aliança Francesa de Belém (Travessa Rui Barbosa, 1851). Aproveitem que a entrada é gratuita e vale muito a pena. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *