O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Opinião do leitor – eleitor

Perguntei ao advogado e procurador de justiça aposentado Luiz Ismaelino Valente, editor do portal O Marambiré, de Alenquer:

O caboclo já está aprendendo a votar ou os caciques ainda o levam no cabresto? 

“Amiga Franssinete, 

Caboclo nenhum aprende a votar em um sistema político-eleitoral tão corrompido e danoso como o nosso. Dentre tantas incongruências, destaco os institutos da reeleição e do segundo turno para cargos executivos – que foram, sem dúvida, um tiro no pé. Eram duas boas ideias que infelizmente se perderam e deram completamente errado no Brasil: escancararam o uso da máquina administrativa, elevaram o fisiologismo à milésima potência e transformaram os partidos, ideologicamente maltrapilhos, em verdadeiras organizações criminosas.
Em síntese: a reeleição e o segundo turno, energizando a corrupção eleitoral, provocaram, dentre outros malefícios, a falência o sistema representativo, com os negócios públicos sucumbindo inapelavelmente aos interesses privados.
Enquanto não concebermos e pusermos em prática um sistema partidário e eleitoral elaborado pela sociedade com a participação efetiva do povo – e não pelo Congresso, que para tanto já perdeu quer a oportunidade quer a legitimidade –, baseado na tolerância zero à corrupção, no respeito integral e inegociável ao interesse público e na objetiva igualdade de oportunidades entre todos os partidos e todos os candidatos, continuaremos a assistir, de dois em dois anos, ao deprimente desfile dos caboclos rumo às urnas como se fosse gado tocado para um brete pelos barões da politicalha que não honram os sábios princípios da verdadeira arte da Política, aquela Política com “P” maiúsculo da qual nos falou Rui Barbosa em seu célebre discurso na Conferência de Haia há exatos 107 anos. 

Um abraço. 
Luiz Ismaelino Valente”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *