Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Boto Cor-de-Rosa vence disputa no Çairé


FOTO: RODOLFO OLIVEIRA 
O “Boto Cor-de-Rosa” ganhou seu 9º título de campeão na disputa no Çairé, em Alter do Chão, quando desfilou seu enredo “Puxirum na Amazônia”. O puxirum é um trabalho coletivo de indígenas e caboclos, espécie de mutirão, lado comunitário da festa, o modo de viver das famílias locais. E o boto aparece nele para seduzir a cabocla. No Çairódromo, que é o Lago Verde dos botos, uma explosão de cores e cenários fantásticos mexeu com a imaginação de todos quantos foram assistir ao espetáculo. Ostentando fantasias nas cores branco, preto, azul, verde e vermelho, os brincantes do Boto Cor-de-Rosa levaram uma alegoria que era um cardume simbolizando a fartura da festa, o “Boto-Homem” saiu de um muiraquitã gigante e seduziu a cunhã em cima de uma casa de pescador. O puxirum foi simbolizado por uma enorme casa de palha que se transformou em diversos cenários típicos do Çairé. Uma canoa trazendo um pescador mostrou a importância das catraias para a vila de Alter do Chão. É que os catraieiros são os responsáveis pela travessia dos turistas da vila para a Ilha do Amor, praia de água doce considerada uma das mais belas do mundo. Houve, ainda, homenagem ao Mestre Verequete. 

O tema do Boto Tucuxi este ano foi “Çairé pra dançar”.  As cores vermelho e amarelo predominaram em suas fantasias e alegorias. Os mais de 600 brincantes empolgaram com o ritmo do carimbó. O “Ritual das Saúvas” foi um dos pontos altos. Um formigueiro gigante foi montado no meio do Çairódromo, de onde saúvas saíram em coreografia e, depois, enfrentaram o Curandeiro, que as dominou e fez delas comidas para os deuses. A Rainha do Çairé representou a Saraipora, um dos personagens centrais da manifestação cultural. A Rainha do Artesanato entrou no Lago Verde carregada por uma borboleta gigante. E o jogo de sedução do Boto Homem sobre a Cabocla do Çairé arrebatou o público.  

Alter do Chão, distrito de Santarém, tem seis mil habitantes e recebe, durante o festival do Çairé, cerca de 100 mil visitantes. A festa é considerada a maior e mais antiga manifestação folclórica do oeste paraense.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *