Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Operação Frota Virtual

A Receita Federal, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a Secretaria da Fazenda do Estado do Pará cumpriram ontem, na Operação Frota Virtual, deflagrada simultaneamente em Manaus(AM), Macapá(AP), Belém(PA) e São Paulo(SP) 12 mandados de busca e apreensão em endereços comerciais e 1 em endereço residencial, além de 11 mandados de condução coercitiva de pessoas acusadas da prática de crimes contra a ordem tributária, falsidade ideológica, interposição fraudulenta na constituição de empresas e uso de documentos falsos, cujos nomes não foram revelados. Segundo o MPF, tratava-se de uma quadrilha interestadual, desarticulada com a prisão de vários comerciantes envolvidos na compra e aluguel de carros no Amazonas, Pará e Amapá, que se aproveitavam dos benefícios fiscais para adquirir os automóveis, mas desviavam a sua finalidade, burlando as normas fiscais desses Estados. O esquema era simples: empresas locadoras de veículos instaladas na Zona Franca de Manaus e Área de Livre Comércio de Macapá e Santana, utilizando incentivos fiscais da redução a zero das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), adquiriam veículos e os desviavam, especificamente para o Estado do Pará.
A partir do não pagamento dos tributos exigíveis com a comercialização dos veículos fora das áreas especiais e da utilização de artifícios fraudulentos, como a constituição de empresas de fachada, os envolvidos conseguiam vender os automóveis a preços inferiores aos do mercado local.
A estimativa da Receita Federal é de que o prejuízo aos cofres públicos alcance R$ 20 milhões, só em tributos federais sonegados. Participaram da operação 25 servidores da Receita, 6 servidores da Sefa e 70 da Polícia Federal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *