Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Oitenta e cinco anos

Oitenta e cinco anos. Vai ser semana que vem o aniversário dele. E hoje, cinco dias antes da data, já em clima de festa, comemoro que se completa uma semana desde que eu vacinei minhas filhas com a primeira dose da vacina da Pfizer contra a Covid-19. Além disso, há seis dias minha grande amiga, irmã de vida, defendeu sua tese de doutorado sobre abordagem cientifica no ensino e na prática do restauro, lá na UFBA. Em comum, esses dois eventos antecipam o aniversário dele e nos lembram do poder que é conservar. A matéria e a vida. As coisas e as pessoas. E as coisas que simbolizam pessoas. O aniversário dele está chegando e eu lembro quando o conheci. O ano era 2008 e eu tinha acabado de entrar na faculdade de arquitetura e urbanismo, lá na FAU de Belém. Depois eu me aproximei mais dele em 2017, quando ele fez oitenta. Eu estava bem feliz em trabalhar com ele e, nesse ano, aprendi um monte sobre o que significa a existência histórica do homem, a antiguidade da vida e a fragilidade da nossa memória. E aprendi sobre pessoas. Algumas ruins e outras que levo no coração. Porque, no fim das contas, tudo gira em torno das pessoas.

Em 2019, ele fez oitenta e dois e eu dei um até logo ao nosso dia a dia porque fui fazer outras coisas. Também em 2019 começou uma fase cruel pra ele, em que passou maus bocados com umas pessoas que começaram a trabalhar com ele sem entender o que ele realmente faz. Em 2020 veio a pandemia do corona vírus. Ele ficou meio esquecido e, em 2021, ele fez oitenta e quatro. Firme e forte. Hoje, em 2022, ele chega aos seus oitenta e cinco. Está cansado, julgado, ameaçado, mas continua vigente como soberano em território brasileiro. E faltam cinco dias para o aniversário dele.

Somos o que lembramos. Ele, que nos seus oitenta e cinco luta para tornar visível a passagem do tempo e concretizar a lembrança do que já fomos. Ele, que nos estimula tanto a recordar como a imaginar. Nesse aniversário, quero lembrar que as coisas sempre se conectam. Passado, presente e futuro. Juhani Pallasmaa* diz que não existimos apenas na realidade espacial e material, também habitamos em realidades culturais, mentais e temporais. O que ele quer dizer é que nossas recordações são memórias conectadas a um lugar e a objetos, são o que fornece nosso senso de identidade pessoal. Se a arquitetura nos insere no tempo e no espaço, preservar os testemunhos materiais do passado nos permite experimentar a continuidade da cultura. As coisas instituem um lugar e concentram em si significados. A arquitetura, uma dessas coisas, ao perdurar no tempo, cria um sentido de presença e de ordem. Nosso patrimônio cultural. Para as pessoas. No fim, tudo é sobre pessoas e histórias, lembram? Ele lembra.

Faz oitenta e cinco anos que ele segue dizendo todo dia que o objeto que ele protege está materializado na coisa, mas não é essa coisa em si e sim o seu significado simbólico, representado pela coisa. Eu sei, às vezes ele é meio difícil de entender. Mas, quando a gente o conhece um pouco mais, percebe que o que ele fala é sobre como manter e preservar, tanto as pessoas quanto as histórias. De aniversário para ele, eu queria reforçar o poder da ciência. Porque ele nos fornece todo o aparato jurídico, mas só a ciência protege de verdade. A mesma ciência que permite prolongar a vida do nosso patrimônio cultural também permite que nossas crianças sejam vacinadas para que possam ter suas histórias e presenciar a continuidade da cultura por meio das nossas edificações e bens patrimoniais. A arquitetura que permanece tem aquela aura de vitória. Ela nos defende contra o terror do tempo. A vacina contra a covid-19 também tem uma aura de vitória. Ela nos defende contra o horror e a angústia da morte. As coisas e as pessoas só permanecem pelos cuidados e pelo avanço da ciência. Nesse contexto, vencer é permanecer no tempo. No fim, é tudo sobre as pessoas. Ele tem oitenta e cinco anos, mas sabia disso desde que nasceu. Feliz aniversário, Decreto-Lei nº 25 de 1937*. Se é para tombar, tombamos. E permanecemos.

**Juhani Pallasmaa é arquiteto, nascido na Finlândia em 1936. Autor de inúmeros artigos sobre filosofia, psicologia e teoria da arquitetura e da arte, bem como dos livros: Os olhos da pele (2011), As mãos inteligentes, A imagem corporificada (2013), Habitar (2017) e Essências (2018).

**O Decreto-Lei nº 25 de 1937 é a Lei nacional de preservação do patrimônio cultural brasileiro e uma normativa que regulamenta as relações jurídicas desta preservação.

Fonte: https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/13.149/4528
Igreja Nossa Senhora do Carmo, Ouro Preto (MG).
Fonte: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/373/

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *