Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

O porto de Belém do Pará


O primeiro porto de Belém era denominado de porto da Praia e ficava na margem esquerda do igarapé do Piri, que desaguava na baía do Guajará, onde hoje fica a doca do Ver-o-Peso. No processo de povoamento da cidade havia dois núcleos de ocupação, separados pelo braço deste igarapé: o bairro da “Cidade”, que ficava junto da Praça Matriz e do fortim do Presépio e o bairro da “Campina”, a partir da abertura da Rua dos Mercadores (atual Conselheiro João Alfredo). Por centenas de anos este foi o principal acesso por onde partiam e chegavam mercadorias, pessoas, informações e ideologias na região amazônica. 

Ao final do século XIX, o porto de Belém era o terceiro mais movimentado do Brasil, atrás apenas dos de Santos e Rio de Janeiro. As exportações da borracha, o “ouro negro” amazônico, e o crescimento da afluência de embarcações tornavam necessária a reorganização do núcleo portuário da cidade. Após a elaboração de diversos projetos de reforma do cais, o governo federal concedeu em 18 de abril de 1906 ao empresário norte-americano Percival Farquhar a iniciativa de realizar as obras de modernização do porto de Belém e, no dia 7 de setembro do mesmo ano, Farquhar fundou a Companhia Port of Pará.
As obras iniciaram no ano de 1907 e, durante sete anos, foi executada uma gigantesca intervenção urbana, como a cidade jamais havia visto, mobilizando milhares de braços e a mais avançada tecnologia internacional. Parte da região dos antigos trapiches foi aterrada e dragado um canal de 3.300 m de largura em toda a extensão do cais. A empresa também efetivou a instalação de linhas férreas de iluminação, construiu edifícios para a administração, armazéns para o depósito de mercadorias e abriu uma rua paralela, a Av. Marechal Hermes.

Embora enfrentando problemas, como a grave epidemia de febre amarela e diversas ações judiciais de empresas contra o encurralamento de seus trapiches, no dia 2 de outubro de 1909 foi inaugurada a primeira seção do novo cais de Belém.
Incrustado no entorno do centro histórico da cidade, em meio a polêmicas sobre a diversificação dos usos do espaço portuário e a desmontagem de galpões para a ampliação do pátio de contêineres, os projetos que visam interferências no complexo portuário vêm continuamente esquecendo de inserir um elemento essencial para a preservação e valorização desse patrimônio: a sociedade belenense. 

Essa história é contada, no excelente Blog Casarão de Memórias da Amazônia, da Associação dos Agentes de Patrimônio da Amazônia,  por Luciana Furtado, historiadora pela Universidade Federal do Pará, especialista em Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial, professora da rede estadual de ensino e vice-presidente da ASAPAM. As fotografias são de Rodolfo Braga, graduado em Geografia pela UFPA e pesquisador na área de História, com ênfase em Patrimônio, Memória e Imagem.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *