Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

O histórico da fazenda Santa Lúcia

A Fazenda Santa Lúcia, localizada no município de Pau D’ Arco, é ocupada desde 2010. Em 2013, o proprietário ajuizou ação de reintegração de posse (processo nº 00008492.25.2013.814.0045), deferida. Em novembro de 2015, a fazenda foi reocupada. Após ação judicial, foi feita a segunda reintegração de posse, rapidamente reocupada após a saída da polícia que deu apoio ao mandado. Dadas as dimensões da fazenda, por algum tempo coexistiram na área ocupantes e proprietários que, após frustradas negociações com o Incra, passaram a tentar ocupar a terra com algumas cabeças de gado, refazendo parte da pastagem e posteriormente contratando segurança armada para a defesa das benfeitorias. 

Em razão disso, em 26 de outubro de 2016 os proprietários pleitearam na justiça novo cumprimento de medida liminar de reintegração de posse, que foi concedida e ficou de ser realizada este ano.
No dia 23 de fevereiro de 2017, o oficial de justiça esteve na fazenda citando todos os invasores a fim de saírem de lá em 24h, sob pena de multa. 

Em 23 de março passado a Justiça autorizou o cumprimento da liminar para reintegração, decisão na qual a vara agrária de Redenção determinou a prisão em flagrante daqueles que eventualmente estivessem na área incorrendo no crime de desobediência, o que foi executado em 20 de abril de 2017, sem reação por parte dos acampados. Na ocasião, quatro pessoas foram conduzidas para a delegacia de polícia em flagrante de desobediência, os demais se refugiaram no acampamento provisório chamado de “corredor”, área arrendada de colono do assentamento Guarantã que faz limite com a fazenda. 

Durante o mês de abril os proprietários contrataram a Elmo Segurança Ltda. EPP, CNPJ 13.617.887/000103, culminando, em 30 de abril de 2017, com o assassinato de Marcos Batista Ramos Montenegro, segurança da fazenda, atingido por um tiro no rosto. Com base na apuração desse homicídio, a polícia requisitou a prisão preventiva e busca e apreensão de Antonio Pereira Milhomem, vulgo “Tonho”; Ronaldo Silva dos Santos, vulgo “Lico”; e Jane Júlia de Oliveira(vítimas fatais) e contra Antonio Pereira da Silva, Fernando Araújo dos Santos, Genário Neves Miranda, além das prisões temporárias dos indivíduos conhecidos por “Araújo”, “Cléber” (sobrinho do Tonho e possivelmente a vitima fatal Weclebson Pereira Milhomem), “Adriano”; “Xexéu”; “Caveira”; “Guri”; “Neguinho do Vigilato” e “Filho do Cangalha”, ordenadas pela juíza Leonila Maria de Melo Medeiros, da 2ª Vara Penal de Redenção, no dia 17/05/2017, por homicídio, esbulho possessório, associação criminosa armada, dano qualificado e outros. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *