Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

O fantástico caso de José Teodósio

Esta me foi contada pelo meu irmão, Francisco Florenzano, que é vereador em Oriximiná. Parece saída do universo fantástico das novelas de Dias Gomes, autor de “O Bem Amado” e “Roque Santeiro“. Mas é a pura realidade. No sábado de manhã, um homem foi atropelado no centro da cidade e o carro esmagou sua cabeça, ficando irreconhecível.  O acidente chamou a atenção de muitos populares, que se aglomeraram em volta da vítima, que não portava documentos, o que é muito comum no interior. Lá pelas tantas, alguém achou que se tratava de José Teodoro, conhecido juquireiro (trabalhador braçal que limpa o campo na fazenda). Levaram o corpo à sua família, e uma parente disse que, de fato, era ele. Os familiares choraram muito, e fizeram um velório que durou o resto do sábado e o domingo. Ontem à tardinha, quando todos se preparavam para sair em cortejo para o sepultamento, eis que José Teodósio telefonou para casa, jurando que está vivo. As pessoas insistiram que não, estava mortinho da silva. Aí José Teodósio, agoniado, pediu que esperassem a sua chegada, pois estava indo de táxi provar que é um ser vivente. E chegou, triunfalmente, bem na hora do enterro, provando a todos que não se tratava de um trote. Agora, a família entregou o cadáver à prefeitura a fim de que identifiquem o falecido, que, caso isto não seja possível, será sepultado como indigente. Seria cômico se não fosse trágico. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *