Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Nota da Comissão da Verdade do Pará

“A criação de Comissões da Verdade mundo afora, sempre em momentos posteriores a eventos marcados por graves violações dos Direitos Humanos, mais do que punir os autores das violações, pretendeu estabelecer um clima de conciliação nas sociedades atingidas, permitindo que a verdade restabelecesse a confiança e a paz nas e entre as nações. 

No Brasil, a criação da Comissão Nacional da Verdade, pela Lei nº 12.528/2011, também perseguiu esse objetivo, qual seja, de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período fixado no art. 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, a fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional. 

No Pará, a criação da Comissão Estadual da Verdade, pela Lei nº 7.802/2014, aprovada em 19 de março de 2014, à unanimidade pelos deputados estaduais, buscou os mesmos propósitos, todos visando cultivar valores como a paz, a liberdade, a conciliação, a solidariedade, o respeito, a tolerância e tudo o mais que enaltecesse a dignidade da pessoa humana, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, religião e preferências políticas, como, aliás, reza nossa Constituição. 

A Constituição Brasileira de 1988 é, por si só, uma resposta às violações dos Direitos Humanos cometidas no período da ditadura militar, que se estabeleceu no país após o rompimento da ordem constitucional, incentivado por algumas manifestações de rua e alguns políticos que não previram as consequências que viriam depois, com o cerceamento das liberdades políticas e de expressão, censura da imprensa e das atividades culturais, a tortura, os assassinatos e desaparecimento de pessoas, pelo simples fato de divergirem do pensamento e das ideias então dominantes. 

Aos que não conheceram os antecedentes do golpe militar de 1964, os interesses econômicos e políticos que o motivaram e as consequências que ele trouxe para os cidadãos e cidadãs brasileiros é recomendável que não permitam que o ódio, a intolerância e a irracionalidade passem a conduzir suas crenças e motivações de agir no cenário político atual.
É preciso cautela para que a tragédia não se repita e as feridas, ainda não cicatrizadas, não voltem a ser expostas para tristeza de todos. 

Belém, 31 de março de 2016. 
Comissão Estadual da Verdade-PA”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *