Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Nheengatu e Mundurucu na UFOPA


Vejam que interessante: com ritual indígena e lançamento da publicação “Resistência e Mobilização dos povos indígenas do Baixo Tapajós”, do projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, através de parceria entre o Conselho Indígena Tapajós Arapiuns (Cita), Organização dos Estados Americanos (OEA), Universidades Federal do Pará (UFPA) e do Oeste do Pará (UFOPA), é hoje a formatura dos 117 alunos concluintes dos cursos de línguas indígenas Nheengatu e Mundurucu, realizados durante o mês de janeiro deste ano pela Universidade Federal do Oeste do Pará.
Aberto à comunidade acadêmica, o evento começa às 18h, no prédio anexo ao campus Amazônia(Av. Mendonça Furtado, nº 2946, bairro de Fátima, Santarém-PA). Além dos alunos concluintes, participarão da solenidade representantes do diretório acadêmico indígena (DAIN) e da administração superior da UFOPA. 

O curso de línguas indígenas promovido pela UFOPA, em parceria com o Grupo Consciência Indígena (GCI), foi realizado durante o mês de janeiro deste ano, no Centro Indígena Maíra, e ministrado pelo professor Agripino Nogueira Neto, de Barcelos (AM), com assessoria do mestrando em Letras da Universidade de São Paulo (USP), Antônio Neto. O curso de Nheengatu contou com a participação de 79 alunos. Já o de Mundurucu foi ministrado pelos estudantes indígenas Mayke Krixi e Jair Boro, da etnia Mundurucu, oriundos de aldeias do Alto Tapajós, em Jacareacanga (PA), e teve 38 alunos. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *