Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Nheengatu e Mundurucu na UFOPA


Vejam que interessante: com ritual indígena e lançamento da publicação “Resistência e Mobilização dos povos indígenas do Baixo Tapajós”, do projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, através de parceria entre o Conselho Indígena Tapajós Arapiuns (Cita), Organização dos Estados Americanos (OEA), Universidades Federal do Pará (UFPA) e do Oeste do Pará (UFOPA), é hoje a formatura dos 117 alunos concluintes dos cursos de línguas indígenas Nheengatu e Mundurucu, realizados durante o mês de janeiro deste ano pela Universidade Federal do Oeste do Pará.
Aberto à comunidade acadêmica, o evento começa às 18h, no prédio anexo ao campus Amazônia(Av. Mendonça Furtado, nº 2946, bairro de Fátima, Santarém-PA). Além dos alunos concluintes, participarão da solenidade representantes do diretório acadêmico indígena (DAIN) e da administração superior da UFOPA. 

O curso de línguas indígenas promovido pela UFOPA, em parceria com o Grupo Consciência Indígena (GCI), foi realizado durante o mês de janeiro deste ano, no Centro Indígena Maíra, e ministrado pelo professor Agripino Nogueira Neto, de Barcelos (AM), com assessoria do mestrando em Letras da Universidade de São Paulo (USP), Antônio Neto. O curso de Nheengatu contou com a participação de 79 alunos. Já o de Mundurucu foi ministrado pelos estudantes indígenas Mayke Krixi e Jair Boro, da etnia Mundurucu, oriundos de aldeias do Alto Tapajós, em Jacareacanga (PA), e teve 38 alunos. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *