A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Negados Habeas Corpus ao Cel Mário Pantoja e a Luizinho Drumond

As Câmaras Criminais Reunidas do TJE-PA negaram ontem, à unanimidade, habeas corpus ao coronel Mário Pantoja – condenado a 228 anos de reclusão por envolvimento no caso Eldorado dos Carajás, em abril de 1996, quando 19 trabalhadores rurais sem terra foram assassinados  -, que requereu o cumprimento de sua pena através de prisão domiciliar. A sessão foi presidida pelo desembargador Rômulo Nunes e o
relator foi o desembargador Raimundo Holanda Reis.
 
O pedido foi negado porque o MP pediu vista dos autos, que tramitam na 2ª Vara de Execuções Penais da Região Metropolitana de Belém, para se manifestar sobre os laudos juntados sobre o estado de saúde de Mário Pantoja, que a defesa alegou ser portador de doença grave. Ele cumpre pena no Centro de Recuperação Estadual Coronel Neves.
Assim que o processo retornar do MP, o magistrado impetrado proferirá decisão.
 
Ainda na sessão de ontem, por maioria de votos, acompanhando a relatora, desembargadora Vera Araújo, os integrantes das Câmaras negaram habeas corpus a Luiz Antonio Drumond, que requereu a nulidade de quebras de sigilo telefônico, no processo referente à operação Efeito Dominó, realizada pela Polícia Civil e MPE em setembro deste ano.
Mas o Juízo da Vara de Entorpecentes e Combate às Organizações Criminosas afirmou que ele responde, com outras 48 pessoas, a ação penal por delitos relacionados à exploração de jogos de azar (crimes de lavagem de dinheiro, contra a economia popular, formação de cartel, dentre outros), tendo sido autorizadas judicialmente interceptações telefônicas e quebra de sigilo fiscal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *