Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Não ao trabalho escravo!

Ontem
foi o dia nacional de combate ao trabalho escravo, por
conta da “Chacina de Unaí“, há nove anos, quando três auditores
fiscais do trabalho e um motorista do MTE foram assassinados durante diligência
em fazendas no município de Unaí(MG). Até hoje os mandantes continuam impunes. 
A
CPI do trabalho escravo, presidida pelo deputado parauara Cláudio Puty(PT), é
mais um instrumento para ampliar o trabalho de fiscalização, aprimorar temas da
legislação, difundir as formas ilegais do trabalho, medidas preventivas e
punitivas àqueles ainda praticam essa forma de trabalho análoga à escravidão. E
soma aos trabalhos da Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, a CONTRAE.
Em
2012, a maior conquista da CPI foi a aprovação da PEC do Trabalho Escravo, que devolve à
sociedade em forma de expropriação as terras de proprietários que praticam essa
forma ilegal de trabalho.
Uma
das maiores contribuições do MTE, como ente fiscalizador, é a atualização da lista suja que
registra o nome das empresas e pessoas investigadas ou autuadas pelo trabalho escravo.
Isso permite que a sociedade acompanhe, cobre e participe, denunciando,
fiscalizando e motivando o Estado a tomar providências sobre essa chaga histórica
que ainda assombra o País.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *