Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Na última hora

Confirmando a máxima de que brasileiro
deixa tudo para a última hora, desde cedo as filas eram imensas, hoje, no
centro de atendimento da Justiça Eleitoral da Pedreira. Havia duas, em sentidos
opostos, ambas se estendendo na rua afora: uma, para quem iria resgatar os
títulos; e outra, para os que tinham que pagar as multas por não terem votado
nas últimas eleições. Lá dentro, o salão enorme estava lotado. E a cada segundo
chegava mais gente. Confesso que fui uma eleitora faltosa no primeiro turno das
eleições passadas (estava em São Paulo) e meu título está retido porque o TRE-PA
mudou o meu local de votação, ou seja, a minha zona eleitoral.
O primeiro susto foi lá fora. Não sabia
em qual fila deveria entrar primeiro.  Depois
de consultar o funcionário que fazia a triagem, usando o princípio da
razoabilidade entrei na fila dos multados, já sabendo que, quando finalmente
chegasse a minha vez, iria receber um boleto e teria que pagar R$3,50 em
qualquer banco ou lotérica – menos lá, que não dispõe de terminais eletrônicos –
e retornar para a devida entrega, naturalmente enfrentando nova fila.
Resignada, fiz o mea culpa, mea maxima culpa.
Afinal de contas, podia – e devia – ter ido antes justificar minha
ausência, houve campanha da Justiça Eleitoral em todas as mídias e eu mesma
ajudei a divulgar (casa de ferreiro,
espeto de pau).
Na fila, é claro, houve ranger de dentes e discursos inflamados
contra a obrigatoriedade do voto e o recolhimento de recursos ao fundo
partidário. Tinha gente até pregando revolução. Para minha agradável surpresa,
entretanto, rapidamente a fila andava. Quando entrei no salão quase tive um troço ao deparar com aquele mar de leitores faltosos olhando
fixamente o tilintar da senha eletrônica no painel. Na hora em que achava que
iria pegar a tal senha, disse o motivo de minha ida lá, a servidora perguntou
qual a minha zona eleitoral e me encaminhou ao segundo andar. Temi o pior. A
senhorinha que estava atrás de mim riu, sabe-se lá por que.
Chegando lá, não acreditei no que via:
quatro servidores e só duas pessoas na minha frente. O céu! Mais do que isso:
fui muito bem atendida, fiquei sabendo que, como só faltei uma vez à eleição,
posso ir outro dia levar meu boleto pago, sem enfrentar aquele tumulto todo, e
resgatar meu título na maior tranquilidade.
Mas valeu o susto. Aprendi a lição.
Prometo que não vou deixar mais nada para o último dia. Por falar nisso, vou já
fazer minha declaração de renda à Receita Federal. Vocês já fizeram as suas?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *