Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

MPF tenta anular leilão de 2,5 mil Km2 no Marajó

Uma área de 2,5 mil quilômetros quadrados no arquipélago do Marajó, ocupada por mais de 13 mil famílias assentadas e por pelo menos 14,9 mil famílias de comunidades tradicionais ribeirinhas, indígenas, veredeiras e quilombolas, foi leiloada pela massa falida da indústria paranaense de pisos Trevo, para pagar credores e funcionários. O Ministério Público Federal no Pará, que considera a venda ilegal, peticionou à 1ª Vara de Falências e Recuperações Judicias de Curitiba(PR) a fim de anular o leilão. Também foi expedida notificação à Superintendência do Patrimônio da União (SPU) no Pará recomendando a regularização do terreno. 

Entre as ilegalidades apontadas pelo procurador da República Patrick Menezes Colares figuram a ausência de títulos de propriedade, pretensa utilização de títulos de propriedade cancelados por determinação judicial – inclusive por serem maiores de 2,5 mil hectares, o que demandaria uma inexistente aprovação pelo Congresso –, e nulidade dos títulos por falta de destacamento do domínio público para o domínio particular.
O MPF também alega a indeterminação ou imprecisão da localização das áreas, a desconsideração da existência de bens da União (terras devolutas, terrenos de marinha, terrenos marginais e áreas de várzea) e as sobreposições com unidade de conservação federal e com áreas de interesse da reforma agrária.

À SPU o MPF lembrou que a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, da qual o Brasil é signatário, determina que “os governos deverão adotar as medidas que sejam necessárias para determinar as terras que os povos interessados ocupam tradicionalmente e garantir a proteção efetiva dos seus direitos de propriedade e posse”.
Aduz, ainda, que a SPU já distribuiu na área objeto do leilão quase 15 mil Termos de Autorização de Uso Sustentável, documentos concedidos a comunidades que ocupam terras da União como “condição para sua reprodução cultural, social, econômica, ambiental e religiosa utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição”. 

A SPU terá 15 dias para apresentar resposta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *