Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Rei morto, rei posto

Hoje é um dia triste, dramático e histórico para o Brasil. Pela quarta vez desde o fim da era Vargas, em 1945, uma presidente da República não concluirá seu mandato. E pela segunda vez um presidente da República sofre  impeachment. Todos os ex-presidentes da República desde a redemocratização do País foram alvo de pedidos de impeachment. Mas só Fernando Collor de Mello e Dilma Dilma Rousseff foram destituídos do poder, por esse instrumento. E, suprema ironia do destino, Collor, hoje senador por Alagoas, votou a favor do impeachment de Dilma.
A presidente apeada recorreu, em seu discurso de despedida, a versos do poeta russo Vladimir Maiakovski: “Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes?
O mar da história é agitado. As ameaças e as guerras, haveremos de atravessá-las, rompê-las ao meio, cortando-as como uma quilha corta.” 

Rei morto, rei posto. Michel Temer já é o 37º presidente do Brasil, o 14º a assumir o cargo sem ter sido eleito diretamente pelo povo, desde 1945.

Dilma sustenta que recorrerá da decisão do Congresso. Mas a verdade é que, mesmo se tivesse conseguido barrar o impeachment, não teria condições de governar. O placar de sua derrota, 61 votos a 20, somado à sua popularidade, que caiu rés ao chão, é um recado claro da História: um presidente da República não pode se negar a receber parlamentares, a conversar e pedir ajuda para aprovar matérias no Congresso. Dilma esqueceu que o seu governo era um governo de coalizão, que não podia tomar decisões solitárias. Repetiu o erro de Collor, com agravantes. A  crise política e econômica, a perda da base parlamentar, o desemprego de 12 milhões de brasileiros e a avalanche de denúncias de corrupção na Operação Lava Jato cavaram o apoio da sociedade ao processo de impeachment. Não dá para falar em golpe. A própria presidente afastada reconheceu, em seu pronunciamento, que foi punida “pelo conjunto da obra”. 

Aliás, sabe-se que o próprio presidente do Senado, Renan Calheiros(PMDB), costurou o acordo que preservou os direitos políticos de Dilma Rousseff. É mais uma, digamos, curiosidade histórica. Tanto quanto o inusitado apoio de Requião e de Kátia Abreu. 

De tudo, a certeza de que a Democracia brasileira sai robustecida desse desgastante processo. Que a nação mantenha viva essa memória na hora de escolher de novo governantes e parlamentares. Viva a cidadania!

Confiram como votaram os senadores aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *