Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

MPF reitera providências quanto ao PSM

O Ministério Público Federal reiterou ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, a necessidade de providências urgentes da prefeitura de Belém para solucionar problemas de infraestrutura e de prestação de serviços no Hospital de Pronto-Socorro Municipal Mário Pinotti, o PSM da 14 de Março. É que a prefeitura recorreu de liminar da Justiça Federal no Pará alegando que não pode tomar decisões que afetem instituições públicas, atendam todos os pedidos de uma ação judicial, e interferir em questões próprias do Poder Executivo.
Argumentou, ainda, que o município já teria tomado providências para a melhoria do atendimento no PSM.

O MPF respondeu que nenhuma das alegações da prefeitura tem fundamento. A procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Melina Alves Tostes, registra que a lei da ação civil pública (lei 7.347/85) permite a prática e que só parte dos pedidos foi atendida em caráter de urgência. O juiz federal José Márcio da Silveira e Silva não determinou o imediato atendimento dos demais pedidos, apenas a apresentação de cronograma de atendimento.
O MPF defende que o princípio da separação de Poderes não deve ser usado para descumprimento de deveres públicos em caso de graves violação dos direitos básicos, como o direito dos cidadãos à saúde. Além do mais, enfatiza que é o Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus) o encarregado de dizer se os problemas foram corrigidos ou não. 

A decisão liminar, de 24 de outubro de 2014, estabeleceu prazo de 60 dias para que o município de Belém comprovasse a regularização do serviço de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), a atualização das informações prestadas ao Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde e a regularização de equipamentos adquiridos para o atendimento de urgência e emergência, como raios-X, tomógrafo e eletrocardiógrafo, bem como a instalação dos aparelhos de ar-condicionado a fim climatizar todos os setores onde é prestado o atendimento aos cidadãos, inclusive farmácia e pediatria.
Também foi determinada a reforma emergencial do hospital, principalmente da parte elétrica, e atendimento das orientações do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Pará. 

Em relação a outros pontos apontados pelo MPF, a Justiça determinou a apresentação, no prazo de um ano, de cronograma de ações para correção dos problemas.
Entre as necessidades indicadas pelo MPF estão a regularização da composição da comissão de controle de infecção hospitalar, compra de equipamentos necessários à prestação de serviços em neurocirurgia, garantia de médicos nas escalas de plantão em quantitativo mínimo, colchões em perfeito estado de conservação para todos os leitos, limpeza contínua e eficiente de todo o ambiente hospitalar, rouparia em quantidade suficiente para a demanda do hospital e rotinas e mecanismos eficientes de controle da roupa limpa e limpeza e transporte das vestes sujas.
Também há necessidade de conserto dos elevadores do prédio, abastecimento regular e continuado de insumos, medicamentos e instrumentos, rastreabilidade de medicamentos e insumos, controle de lote e de validade dos remédios, implantação de sistema de informação de gestão hospitalar, correta administração do material sujo e contaminado, substituição de todo o mobiliário da área-fim do hospital em péssimo estado de conservação e higiene, correção das irregularidades do setor de farmácia, conforme o constatado pelo Conselho Regional de Farmácia, e correção das irregularidades do setor de nutrição do hospital, conforme o constatado pelo Conselho Regional de Nutricionistas. 

Leiam aqui a íntegra das contrarrazões do MPF, no processo nº 0069096-49.2014.4.01.0000.

Façam o acompanhamento processual aqui
O processo originário (proc. nº 0015435-95.2014.4.01.3900) tramita perante a 5ª Vara Federal em Belém. Acompanhe aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *