Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

MP é contra recurso de Delsão

O promotor de Justiça Franklin Lobato Prado requereu que seja negado provimento ao recurso interposto por Décio José Barroso Nunes, o “Delsão”, contra a decisão do Tribunal do Júri que o condenou a 12 anos de reclusão por ser o mandante do assassinato de José Dutra da Costa, o “Dezinho”, sindicalista de Rondon do Pará, crime que teve repercussão internacional. Agora as Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Pará vão julgar o caso.

A defesa pediu a anulação do processo desde a sentença que impronunciou Delsão à época. Requereu também a anulação do julgamento do Tribunal do Júri, alegando utilização de prova ilícita – pela oitiva de testemunha não identificada – e novo julgamento popular. 

Em suas contrarrazões, o promotor Franklin Prado sustentou que todos os prazos foram cumpridos e a total legalidade dos atos praticados. Garantiu que a testemunha foi qualificada antes de ser ouvida, e que o fato de estar usando capuz durante o julgamento foi para sua proteção. “Graças ao depoimento da testemunha Francisco, o rico fazendeiro foi condenado a 12 anos, mas saiu livre, leve e solto, pela porta da frente da Justiça. Para Francisco, restou o medo, quase pavor, de vingança por parte de Delsão. Livre, o fazendeiro pode muito bem fazer com Francisco o que já fez com outros desafetos. Assim, concluímos que não há nulidade da sessão de julgamento do Tribunal do Júri por oitiva de testemunha não identificada, primeiro porque a citada testemunha foi identificada, antes de ser qualificada e interrogada, e segundo porque lhe foi facultado o direito de prestar depoimento em juízo, sem revelar sua face, em virtude de estar ameaçada de morte pelo acusado e da exigência do Provita”, asseverou o promotor, lembrando que existem nos autos outros elementos de prova que levaram o Conselho de Sentença a reconhecer a autoria e a materialidade do crime e que foram apresentadas durante o julgamento também provas  periciais, com a transcrição de gravações telefônicas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *