O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Memória e desafios: Reduto, Porto Futuro e os ODSs

Coincidência ou não, o mês de julho colocou-me diante de vários desafios, constatações, indagações, expectativas e, ao mesmo tempo, de renovação e retorno ao ensino/aprendizagem e à reflexão sobre o Bairro do Reduto. Tive a honra de ser convidada pela União Nacional por Moradia para contribuir no Ciclo de Oficinas de Formação sobre O Direito à Cidade na Amazônia, para lideranças do Movimento, abordando a questão do Planejamento e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, constantes da Nova Agenda 2030 da ONU.

No mesmo período acompanhei on-line a II Audiência Pública sobre o Porto Futuro, conduzida por Úrsula Vidal, Secretária de Estado de Cultura e no dia 27/07/2021 a mídia e as redes mostrando o ato de assinatura do compromisso de cessão por parte da Companhia Docas do Pará – CDP para o Governo do Estado/Município de Belém de cinco dos seus galpões, concretizando a fase inicial do que fora anunciado anteriormente. Projeto interessante que promete revitalizar aquela área portuária e seu entorno, anteriormente tão abandonado, oferecendo novos postos de trabalho, lazer e reconhecimento da história portuária de Belém aos turistas e aos moradores da cidade.

Moradora por mais de quarenta anos do Reduto e tendo vínculos afetivos anteriores ao tempo de moradia, ainda que reconhecendo a necessidade de intervenção para recuperação e valorização do Bairro dado seu estado de abandono, fiquei me questionando sobre os impactos a serem sofridos no pouco que resta de prédios e monumentos históricos  daquele que, embora poucos tenham na memória, já foi considerado concorrente do Mercado do Ver-o-Peso, do Comércio da João Alfredo, o Bairro Operário, abrigando as primeiras fábricas de Belém e teve uma rua chamada Rua dos Mercadores, atual 28 de setembro e suas Vilas Operárias. O início da semana trouxe um alerta em uma nota de jornal de que os investidores de um shopping do Bairro estariam aguardando a concretização da lei que mudará o gabarito no Reduto para fazer o anúncio da compra da antiga área da Phebo, fato já algum tempo fartamente anunciado e comentado em rede e que alerta para o movimento de cobiça do mercado imobiliário para a área do Reduto, cobiça essa somada à área da Orla da Cidade, com a proteção de muitos membros da Câmara Municipal, capitaneados por seu presidente,  defendendo a derrubada do veto sobre a liberdade de construir na área, em um momento delicado em que se discute a nova eleição de membros para o Conselho de Desenvolvimento Urbano – CDU, responsável pela revisão do Plano Diretor de Belém.

Juntando as pontas dos acontecimentos com a reflexão sobre os ODSs, destaco o décimo primeiro dos dezessete Objetivos Sustentáveis – “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis” e a meta 11.4 do ODS 11 – “Fortalecer esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo”, logicamente que com reflexo nas cidades e assentamentos, para a partir do local atingir o global e vice-versa. Como garantir que a memória e história da cidade seja preservada, que os investimentos a serem feitos, ainda que reconhecidamente necessários, não destruam ao invés de preservar o pouco que resta do patrimônio cultural e natural do Bairro e da Cidade, que esforços serão garantidos para o Reduto, que já foi um bairro operário, seja inclusivo, seguro, resiliente e sustentável?

*Escada da Antiga Fábrica PHEBO. Foto de Auriléa Abelem

*O artigo acima é de total responsabilidade da autora.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *