Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Memória arquitetônica de Belém em risco


Foto de Artur Vitor Iannini
Vejam como eram belíssimos os seculares painéis em azulejaria francesa – legítimas peças HTE Boulenger & Cie – estilo art nouveau do Casarão do Ferro de Engomar, como é conhecido o Palacete Victor Maria da Silva, localizado na rua Presidente Pernambuco, Praça Coaracy Nunes, no bairro da Campina, em Belém, alvo de furto e depredação, de onde todas as peças do banheiro, os lustres, os gradis e os vitrais, além dos belos e raros azulejos,  foram levados na calada da noite. As ações dos vândalos foram denunciadas por arquitetos, ambientalistas, museólogos, artistas, estudantes, cineastas e representantes de instituições e de entidades da sociedade civil, alarmados com mais um dos diversos crimes cometidos contra a memória cultural do Pará, o que impediu maior depredação. A casa, que tinha nove painéis figurativos,  de valor histórico inestimável, a partir do final do século XIX foi residência da família do engenheiro Vitor Maria da Silva, secretário de Obras no governo de Augusto Montenegro. 

Em 2013 a Procuradoria Ambiental e Minerária do Estado ajuizou ação civil pública ambiental contra o proprietário do prédio, por danos morais coletivos, a fim de garantir a preservação do imóvel. O então juiz titular da 2ª Vara da Fazenda, Marco Antônio Castelo Branco, deferiu liminar que exigia segurança 24 horas/dia para o prédio e restauração das peças depredadas.
Mas o prazo para o cumprimento das exigências expirou no início deste ano, o proprietário – mesmo passível de multa diária – descumpriu a ordem judicial e o trabalho de restauro dos azulejos, que contava com o apoio do Laboratório de Conservação, Restauração e Reabilitação (Lacore) da Universidade Federal do Pará a fim de identificar, catalogar e avaliar os azulejos históricos, não teve continuidade, por 
não mais ter sido autorizado pelo dono do imóvel, que, é evidente, o relega ao abandono com fins comerciais, já que sabia perfeitamente das condições da edificação no ato da compra, que é recente. 

O casarão está em processo de tombamento, requerido pela Secretaria de Estado de Cultura, através do seu Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e CulturalO Sesc Boulevard e o prédio da Galeria Paris na América são exemplos de prédios históricos restaurados e em pleno funcionamento, em Belém. Mas a maioria do casario da cidade está em ruínas, sem uso ou subutilizada, como o Palacete Pinho, na Cidade Velha. Problemas permanentes têm afetado a conservação da memória arquitetônica da cidade, boa parte do período da Belle Époque

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *