A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Júri condenou agressor de mulher

Em julgamento que durou oito horas e foi presidido pelo juiz Raimundo Moisés Alves Flexa, Rafael Monteiro Castanheira Iglesias Filho foi condenado pelo Tribunal do Júri por tentativa de homicídio qualificado e cárcere privado contra Bruna Monteiro Leray, e vai cumprir a pena de 28 anos inicialmente em regime fechado. O 3º Promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher, Franklin Lobato Prado, atuou na acusação e sustentou que a vítima foi mantida em cárcere privado, torturada psicologicamente e agredida por seu namorado, tendo escapado da morte certa por intervenção de terceiros. Mais um caso emblemático de violência contra a mulher, felizmente com a devida punição.

O representante do MP relatou que os dois mantiveram relacionamento amoroso por cerca de cinco anos, período em que Rafael se tornou altamente agressivo e obsessivo, perseguindo Bruna por motivos absurdos, tomado por um ciúme doentio e sentimento de propriedade. Por diversas vezes ela tentou dar um basta; porém, sempre era chantageada e ameaçada. A violência recrudesceu a ponto de, no dia 13 de março de 2013, Bruna – que havia terminado o namoro – ter sido por ele obrigada, sob ameaça de faca, a entrar em seu carro, tendo sido levada para a residência do agressor, onde a manteve amarrada com fios de computador, além de cortar seus cabelos e debochar dela. No dia seguinte Bruna conseguiu fugir, mas, no momento em que abria o portão de sua casa, Rafael chegou dirigindo seu veículo e foi em sua direção, atropelando-a. Ela, seriamente ferida e incapaz de se erguer, clamou por socorro. Rafael, ao perceber que ela ainda estava viva, desceu do carro e passou a estrangulá-la, no que foi impedido por vizinhos e outros populares que socorreram a vítima e o detiveram, acionando a polícia para que  fosse preso em flagrante.

O juiz Moisés Flexa citou, em sua sentença, ao justificar a dosimetria da pena, a Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, e o fato de Rafael já ter sido condenado anteriormente por violência doméstica.

Leiam aqui a íntegra da sentença.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *