O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Medrado fala à CPI do BRT

Na reunião da CPI do BRT na Câmara Municipal de Belém, o procurador de Justiça Nelson Medrado confirmou aquilo que todos nós já sabíamos: a gestão do ex-prefeito Duciomar Costa(PTB) foi temerária. Medrado disse que o projeto do BRT não tinha ao menos licença prévia quando começou a ser executado, sem estudo de impacto de vizinhança e de mobilidade. Sequer via de retorno era prevista. Duciomar Costa chegou a desapropriar áreas para usar como transbordo, como a correspondente ao Cidade Folia, por R$ 4 milhões, quando o valor estimado é de R$ 60 milhões. O procurador contou, ainda, que o concreto utilizado ao longo da avenida Almirante Barroso não correspondia ao valor pago, uma vez que deveria ter 35 cm de espessura, mas as medições constataram média de 15 cm. A obra foi feita sem fiscalização: o fiscal foi demitido na primeira semana e depois ninguém mais foi contratado. Medrado informou que aguarda elementos da CPI do BRT para incluir no processo por improbidade administrativa que ajuizou e está em andamento. 

A vereadora Sandra Batista(PCdoB) solicitou cópias do processo licitatório que repassou a folha de pagamento do funcionalismo municipal para o banco Itaú. Nesta quarta, os membros da CPI devem votar o requerimento e ouvir o procurador da República Daniel César Azeredo Avelino. 

Em 2011, o MPE-PA instaurou procedimento administrativo para investigar a concorrência internacional para as obras do BRT, com base na reclamação de dois concorrentes e no pedido de investigação do então vereador Carlos Augusto Barbosa(DEM). O Grupo de Trabalho Interdisciplinar do MP detectou, logo à primeira vista, deficiências no projeto básico em relação ao que foi aprovado para o BRT, além de falta de identificação da fonte orçamentária.
Algumas regras estabelecidas no edital tinham caráter restritivo à ampla concorrência. Além do mais, as estações de transbordo de passageiros abrangiam áreas pertencentes ao Estado e não havia qualquer negociação para que tais áreas fossem repassadas à Prefeitura. O BRT conflitava com o projeto Ação Metrópole, ao invés de integrar. 

A gestão de Duciomar Costa não respondia aos ofícios do MPE. A Unidade Gestora de Projetos Especiais, ligada ao gabinete do prefeito, era a responsável pela obra física do BRT e apenas cinco pessoas decidiram sobre o projeto. 

Sandra Batista quis saber qual a natureza jurídica e como foi inserida no orçamento a “venda” da folha de pagamento do funcionalismo público municipal para o banco Itaú, estimada em R$ 50 milhões. O procurador esclareceu que não é de natureza fiscal, que o repasse da operação para uma instituição financeira deve ser feito via processo licitatório e que só tomou conhecimento do ocorrido pela imprensa, recentemente. Sandra questionou então o motivo pelo qual o prefeito Zenaldo Coutinho(PSDB) pagou os R$ 56 milhões restantes referentes à obra física. Medrado respondeu que a decisão administrativa cabia à prefeitura e que foi tomada após a contratação uma auditoria e da medição da obra pela Caixa Econômica Federal. 

Em ofício à CPI, a CEF informou que não enviaria cópia da documentação relativa ao pagamento da medição da obra, no valor do saldo devedor de R$ 56 milhões deixados pelo ex-prefeito Duciomar Costa. A instituição financeira justificou – vejam só! – que não poderia prestar informações, alegando que acarretaria quebra de sigilo bancário e que só o parlamento federal teria esta prerrogativa. Esqueceu que se trata de empréstimo com recursos do FGTS, feito por um ente público, cujo órgão fiscalizador é a Câmara Municipal de Belém. O ofício será reiterado, a pedido de Sandra Batista.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *