Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

STF indefere MS de Maroja

O ministro Gilmar Mendes, do STF, indeferiu pedido de liminar no Mandado de Segurança 32873, impetrado pelo desembargador João Maroja contra ato do CNJ que o afastou cautelarmente de suas funções no TJE-PA até decisão final ou ulterior deliberação em contrário, em processo administrativo disciplinar.
Maroja teve instaurada contra si uma representação perante o STJ e outra no âmbito do CNJ, ambas subscritas pelo MPF, em razão de suposta participação dele e de seu filho, Leonardo Maroja, em negociação de sentenças no âmbito da Justiça Eleitoral, em 2010, quando exercia a presidência do TRE-PA. 

O principal argumento da defesa é de que haveria ausência de fundamentação para instauração do PAD e afastamento cautelar do magistrado, dado o caráter genérico e a ausência de elementos concretos para a decisão. Além disso, Maroja alegou risco de irreversibilidade da medida, uma vez que será atingido pela aposentadoria compulsória em setembro deste ano. Mas o ministro Gilmar Mendes concluiu pela inexistência do requisito da “fumaça do bom direito” para seu deferimento. E disse ainda verificar, à primeira vista, que o ato impugnado descreveu, de forma detalhada, os fatos em apuração no PAD, relativos aos processos envolvendo políticos dos municípios de Chaves, São Miguel do Guamá, Dom Eliseu e São Félix do Xingu. 

Acompanhe o processo aqui.

Leia a íntegra da decisão do STF aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *