Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Mais 6 ações do MPF contra Duciomar

Os procuradores da República Alan Mansur e Ubir​​atan Cazetta ajuizaram mais seis ações por improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Belém e ex-senador Duciomar Costa (PTB), desta feita pelo desvio de R$ 216.783.250 entre 2005 e 2012.
Também foram acusadas outras 14 pessoas e seis empresas envolvidas em fraudes na contratação de obras de urbanização e prestação de serviços de comunicação social à prefeitura. 

As ações resultam da recente Operação Forte do Castelo e tratam dos contratos para gerenciamento e supervisão das obras da urbanização da Bacia do Paracuri (R$ 1.470.074,67), para execução de obras de infraestrutura nas sub-bacias 3 e 4 da Estrada Nova (R$ 128.502.746,15), gerenciamento e supervisão de obras de urbanização da sub-bacia II da Estrada Nova – urbanização de favelas (R$ 1.468.150,67), prestação de serviços de comunicação, marketing e realização de eventos para a prefeitura (R$ 42.877.642,01), requalificação do complexo viário do Entroncamento (R$ 34.736.664,56), além de repasses injustificados de recursos referentes às obras do BRT e do Portal da Amazônia (R$ 7.727.972,07). 

O enriquecimento estratosférico dos envolvidos, que nem tentaram disfarçar, causa assombro: a mulher de Duciomar Costa, Elaine Baía Pereira, em 2003 declarou à Receita Federal não ter qualquer bem. Em 2012, último ano do segundo mandato de Duciomar, ela já tinha patrimônio declarado de R$ 9 milhões, e chegou a declarar R$ 12 milhões em 2015. Além disso virou sócia das construtoras SBC e Metrópole, avaliadas em R$ 110 milhões. Sua irmã Ilza Baía Pereira tinha R$ 82 mil em 2008 e quase R$ 2 milhões em 2015.
​​
Um dos ex-assessores, Célio Souza, foi contratado em 2008 pela prefeitura para trabalhar como gari. Em 2015 já tinha R$ 1,6 milhão.
Grande parte das empresas foi constituída ou retomou atividades em 2005, 
durante o mandato de Duciomar, em três anos já declarava faturamento de centenas de milhares de reais, e depois que ele saiu da prefeitura todas ficaram inativas ou não apresentaram declaração à Receita Federal. 

A construtora Metrópole nem tinha funcionários, mas foi contratada pela prefeitura. A partir daí começou a receber recursos da Andrade Gutierrez, diretamente relacionados aos períodos de acerto, licitação e contrato das obras do Portal da Amazônia e BRT.

Duciomar Costa está inelegível pelos próximos oito anos com base na lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado pela Justiça Federal em outro processo aberto a partir de ação do Ministério Público Federal do Pará.
Além destes seis, o ex-prefeito responde a 15 processos na Justiça Federal e a 13 processos na Justiça Estadual, a maioria por improbidade administrativa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *