Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Juiz manda prender Pé de Boto

O dia está, como se diz nas redes sociais, bombando. O juiz Gabriel Pinos Sturtz, de Igarapé-Miri, mandou prender e recolher à cadeia pública Ailson Santa Maria do Amaral, o Pé de Boto, ex-prefeito local. É que foi cassada,  pelas Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, nos autos do processo no 0000100-27.2015.814.0401, a liminar que concedia a ele liberdade provisória. A relatora, juíza convocada Rosi Maria Gomes de Farias, denegou habeas corpus liberatório com pedido de liminar que alegava carência de justa causa para a prisão preventiva. A magistrada entendeu que há prova da materialidade e indícios de autoria, além da necessidade de garantir a ordem pública e assegurar a instrução criminal, face a periculosidade do agente, evidenciada pelo modus operandi da conduta delituosa, marcada pela prática de vários homicídios em grupo de extermínio. Ela alinhou, ainda, notícia da existência de ameaça a testemunhas e inadequação das medidas cautelares alternativas à prisão. Seu voto foi seguido à unanimidade pelos desembargadores, em sessão de julgamento presidida pelo desembargador Ricardo Ferreira Nunes. Atuou pelo Ministério Público estadual o procurador de justiça Geraldo de Mendonça Rocha.    

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *