A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Juiz cassa registro de Zenaldo por vídeos no Facebook


O juiz Antonio Cláudio Von Lohrmann Cruz, da 97ª Zona Eleitoral de Belém, cassou o registro da candidatura de Zenaldo Coutinho(PSDB) e de seu vice, Orlando Reis Pantoja, da coligação Por uma Belém do Bem, por prática de conduta vedada, prevista no art. 73, inciso VI, letra “b”, da lei nº 9.504/1997, a lei eleitoral, e infringência ao parágrafo 1º do artigo 37 da Constituição Federal. Impôs, também, multa de 60 mil UFIR’s. Considerando a regra do parágrafo 7º do art. 73 da lei eleitoral, o magistrado determinou, ainda, a remessa dos autos ao Ministério Público estadual, para fins de apuração de possível prática de ato de improbidade administrativa. Zenaldo tem três dias para recorrer da sentença e pode fazer campanha normalmente. 

A decisão ainda não foi publicada no Diário de Justiça e tem sido veiculada nas redes sociais ao sabor das conveniências partidárias. Para se ter uma ideia das distorções, há quem diga que Zenaldo teve o registro cassado porque contratou centenas de cabos eleitorais. Ou que ele nomeou pessoas para o Judiciário (!). O fato é que – como se pode verificar na foto aí em cima e pela leitura da sentença, na íntegra, aqui (é só clicar) – a coligação Juntos Pela Mudança, de Edmilson Rodrigues(PSOL), acusou a publicação de 27 vídeos na página da Prefeitura de Belém no Facebook, com imagens do prefeito, no período de 27 de junho a 1º de julho deste ano, imediatamente antes do período eleitoral.

Para que todos entendam a que se referem os dispositivos legais e constitucionais que embasaram a decisão, é bom registrar que o art. 37 da Constituição Federal, em seu parágrafo 1º, assim estabelece:
A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos. “
E no capítulo “Das Condutas Vedadas aos Agentes Públicos em Campanhas Eleitorais”, o art. 73, inciso VI, “b”,  dispõe:

São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais: 
VI – nos três meses que antecedem o pleito: 
b) com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral;”

Já o parágrafo 7º reza que:
As condutas enumeradas no caput caracterizam, ainda, atos de improbidade administrativa, a que se refere o art. 11, inciso I, da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, e sujeitam-se às disposições daquele diploma legal, em especial às cominações do art. 12, inciso III.

Nove entre 10 especialistas em direito eleitoral acham que, em sede de recurso ao TRE-PA, vai prevalecer o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral expresso no Acórdão do TSE, datado de 7.10.2010, na Representação nº 234314: “entrevista inserida dentro dos limites da informação jornalística não configura propaganda institucional irregular.”, no Ac.-TSE de 1º.10.2014, no AgR-REspe nº 43580: “com base na compreensão da reserva legal proporcional, compete ao magistrado exercer um juízo de proporcionalidade entre a conduta praticada e a sanção a ser imposta;” e no Ac.-TSE, de 21.10.2010, na Rp nº 295986: “o exame das condutas vedadas previstas neste artigo deve ocorrer em dois momentos – ao verificar se o fato se enquadra nas hipóteses previstas, descabendo indagar sobre a potencialidade dos fatos, e, se afirmativo, ao determinar a sanção a ser aplicada.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *