Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Joia paraense

No próximo dia 1º, às 19h30, na Catedral Metropolitana de Belém, não percam o concerto de encerramento do Curso Livre de Órgão da EMUFPA, ministrado pelo professor Guido Oddenino, diplomado pelo Conservatório Giuseppe Verdi em Turim, com participação especial do professor Paulo José Campos de Melo, organista titular da Catedral Metropolitana de Belém e Schola Cantorum da Sé.

O órgão da Sé de Belém é o maior Cavaillé-Coll da América Latina. Ficou parado por 45 anos e ameaçava desabar. Em 1995, uma forte campanha em Belém viabilizou sua restauração, na França, por sugestão do então organista de Notre Dame de Paris. A Firma Theo Haerpfer de Boulay-França foi escolhida. O buffet do órgão foi restaurado em Belém com madeira paraense por Verbicaro Giestas e Cia. Ltda. A reinauguração aconteceu em grande estilo em 14 de junho de 1996, com os organistas Hans Bönish (alemão) e Paulo José Campos de Melo (paraense). A Schola Cantorum da Catedral e os Pequenos Cantores da Sé apresentaram números em gregoriano e polifonia. No coro da Catedral, placas alusivas estão fixadas.

Inaugurado em primeira audição no dia 09 de setembro de 1882 por dois organeiros e organistas franceses, Veerckamp e Moor, o órgão Cavaillé-Coll da Catedral funcionou durante quase 70 anos. Comprado ao preço de 15 contos de réis por D. Antônio de Macedo Costa, sua inauguração foi presidida pelo então bispo do Pará, D. Antônio de Macedo Costa e teve caráter solene. Foram convidadas as mais graduadas autoridades do Império. Instalado no coro, mede 8m de altura por 5,5m de largura e 3,5m de profundidade. Tem 25 mil peças para funcionar dois manuais e pedaleira.

O Grande Órgão de Tubos Cavaillé-Coll foi construído pelo maior organeiro do mundo, no século passado, Aristide Cavaillé-Coll. Em 1882, a Igreja era unida ao Estado e a Catedral tinha 60 funcionários mantidos pela Coroa Imperial. Com a separação Igreja-Estado, houve declínio no que se refere a conservação. No ciclo da borracha ela permaneceu em equilíbrio, mas depois foi quase impossível manter seu esplendor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *