O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Jader, Luiz Otávio e Helder na mira da JBS

No Pará, o depoimento do executivo Ricardo Saud, da
J&F, caiu como uma bomba: a empresa pagou R$ 35 milhões em propina para
comprar o apoio de senadores do PMDB para a eleição de Dilma Roussef em 2014. O
senador Jader Barbalho, o ex-senador e atual Secretário Nacional de Portos Luiz
Otávio Campos e o ministro Helder Barbalho, que já tinham sido citados na
Operação Leviatã e na própria Lava-Jato, de novo vieram à tona.  R$
8,9 teriam sido
entregues a Jader Barbalho e parte do
dinheiro bancado a campanha de Helder. O PT também foi alvo da denúncia. O
escritório de advocacia Bentes e Bentes e a CB Consultora Empresarial foram
citados, ainda, no esquema.
Na
delação, Luiz Otávio Campos aparece como sócio oculto da Henvil – o que se
falava à boca pequena há anos -, dando notas fiscais da empresa de navegação,
que foi criada em 1994, vem se expandindo e atualmente atua em transporte terrestre
e fluvial de petróleo e derivados, álcool, e agenciamento de transporte de carga
rodo-fluvial. 

Jader
e Luiz Otávio negaram tudo. Jader disse que
jamais pediu ou autorizou qualquer partido ou pessoa a pedir dinheiro em troca
de seu voto, e desafiou o dono da JBS a provar as acusações.
Helder, assim
como o diretório estadual do PMDB, garantiu que tudo foi registrado perante o TRE-PA.
Luiz Otávio
afirmou que nunca recebeu
pagamentos da empresa.

Assistam ao vídeo aí em cima.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *