A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Jader, Luiz Otávio e Helder na mira da JBS

No Pará, o depoimento do executivo Ricardo Saud, da
J&F, caiu como uma bomba: a empresa pagou R$ 35 milhões em propina para
comprar o apoio de senadores do PMDB para a eleição de Dilma Roussef em 2014. O
senador Jader Barbalho, o ex-senador e atual Secretário Nacional de Portos Luiz
Otávio Campos e o ministro Helder Barbalho, que já tinham sido citados na
Operação Leviatã e na própria Lava-Jato, de novo vieram à tona.  R$
8,9 teriam sido
entregues a Jader Barbalho e parte do
dinheiro bancado a campanha de Helder. O PT também foi alvo da denúncia. O
escritório de advocacia Bentes e Bentes e a CB Consultora Empresarial foram
citados, ainda, no esquema.
Na
delação, Luiz Otávio Campos aparece como sócio oculto da Henvil – o que se
falava à boca pequena há anos -, dando notas fiscais da empresa de navegação,
que foi criada em 1994, vem se expandindo e atualmente atua em transporte terrestre
e fluvial de petróleo e derivados, álcool, e agenciamento de transporte de carga
rodo-fluvial. 

Jader
e Luiz Otávio negaram tudo. Jader disse que
jamais pediu ou autorizou qualquer partido ou pessoa a pedir dinheiro em troca
de seu voto, e desafiou o dono da JBS a provar as acusações.
Helder, assim
como o diretório estadual do PMDB, garantiu que tudo foi registrado perante o TRE-PA.
Luiz Otávio
afirmou que nunca recebeu
pagamentos da empresa.

Assistam ao vídeo aí em cima.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *