O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

Inatividade física é fator de risco para a Covid-19 grave

Diferentes fatores de risco para Covid-19 grave já foram descritos, incluindo > 60 anos, sexo masculino, a ocorrência de comorbidades como obesidade, doença pulmonar crônica, doença cardiovascular, doença renal avançada, neoplasias, anemia falciforme, imunodeprimidos por transplante de órgãos sólidos, diabetes tipo 2, síndrome de Down, tabagismo, pobreza e a gravidez. Porém, nas rotinas de atendimentos aos pacientes nesse período acima de 12 meses desde o surgimento da pandemia de infecções pelo vírus SARS-CoV-2, outra questão adicional têm sido ressaltada e chamado a atenção de diversos médicos e pesquisadores: a inatividade física.  

Com base nos critérios dos consensos mundiais sobre atividade física, considera-se que a prática de no mínimo 150 min a 300 min por semana de atividade física aeróbia, em intensidade moderada a vigorosa, deve ser definida como ideal para os benefícios à saúde de um indivíduo. Os benefícios incluem o funcionamento do sistema cardiovascular, a capacidade pulmonar, hipertrofia muscular, estrutura musculoesquelética, a saúde mental, e o favorecimento da homeostase e do funcionamento do sistema imune, com consequente menor taxa de incidência de diversas infecções virais, sintomas e mortalidade por doenças infecciosas, assim como menor ocorrência de doenças crônicas. A prática regular de atividades físicas reduz o risco de inflamação sistêmica, o que parece favorecer o melhor prognóstico da infecção pulmonar pelo SARS-CoV-2.  

Os efeitos da inatividade física 

De forma a tentar avaliar a hipótese do favorecimento das formas moderadas a graves de Covid-19 devido a ausência da prática regular de atividade física, ou também chamada inatividade, Sallis et al. (2021) compararam as taxas de hospitalização, admissão em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e a mortalidade entre pacientes com Covid-19 categorizados como inativos fisicamente, com atividade física esporádica ou que atendiam consistentemente às recomendações de atividade física acima citadas, de acordo com o protocolo Exercise Vital Sign (EVS), como descrito abaixo:  

  • Inativo: EVS 0-10 min/ semana = Inativo;  
  • Prática esporádica de atividade física: EVS 11-149 minutos /semana; 
  • Prática consistente de atividade física: > 150 minutos/semana.  

Através desse estudo observacional retrospectivo, conduzido pela Kaiser Permanente Southern California (KPSC), foram obtidos dados eletrônicos prévios sobre a saúde dos indivíduos residentes no sudeste californiano, assistidos em 15 centros médicos, com idade acima de 18 anos e com o diagnóstico de Covid-19 no período de 1 de janeiro de 2020 a 21 de outubro de 2020. Os dados retrospectivos sobre a saúde física dos pacientes abrangiam os dois anos anteriores a março de 2020 (período do início do lockdown em território americano). Foram incluídos 48.449 pacientes com teste positivo para Covid-19 prévio ou com diagnóstico da doença no período acima citado. Os pacientes assistidos pelas clínicas da KPSC e incluídos nesse estudo mantinham também a regularidade prévia de acompanhamento clínico, sendo submetidos a, no mínimo, três consultas ambulatoriais com a aplicação do questionário EVS entre 19 de março de 2018 e 19 de março de 2020, de forma que permitiu aumentar a acurácia de classificação dos hábitos / regularidade quanto a atividade física dos pacientes. Foram avaliados os dados demográficos, comorbidades, características clínicas e desfechos clínicos da Covid-19 para cada paciente, e comparado entre os grupos.  

Resultados 

Os resultados descreveram uma distribuição não linear do número de indivíduos nas categorias EVS. Observou-se do total de 48.440 pacientes estudados, e, de maneira geral, a seguinte distribuição:  

  • Inativo: 6.984 indivíduos (14,4%), mediana de idade 49 anos;  
  • Prática esporádica de atividade física: 38.338 indivíduos (79,2%), mediana de idade 47 anos;  
  • Prática consistente de atividade física: 3118 indivíduos (6,4%), mediana de idade 38 anos.  

A maior parte da população estudada era composta por mulheres (61,%). A média geral do índice de massa corporal foi de 31,2 kg/m2, e 51,4% dos indivíduos da coorte não apresentaram comorbidades, 17,4% exibiam apenas uma, e 31,3% duas ou mais, sendo que dentre os que exercem atividade física consistente, as taxas de doenças crônicas eram as menores.  

Considerando a apresentação de Covid-19, 8,6% dos pacientes foram hospitalizados, 2,4% admitidos em UTI e 1,6% faleceram. Os pacientes com prática regular de atividade física apresentaram menores índices de hospitalização, necessidades de oxigenoterapia ou prognóstico ruim. Os inativos apresentaram uma chance de hospitalização 2,26x maior (95% de intervalo de confiança, 1,18 a 2,83) quando comparada com os indivíduos com prática regular consistente, assim como outros fatores como idade avançada, gravidez, obesidade e histórico de transplante de órgãos também se mostraram associados a um maior risco de hospitalização. Para internação em UTI e morte, tal comparação foi semelhante com valores de odds para os inativos fisicamente de 1,73x e 2,49x maiores, respectivamente, em relação aos praticantes de forma regular. Outros detalhes interessantes podem ser vistos nas referências abaixo.  

Conclusão 

Com base em todos esses achados importantes para a maior compreensão da fisiopatologia da Covid-19, esse estudo pioneiro traz evidências substanciais sobre a importância da atividade física de forma consistente e regular como um fator modificador do prognóstico da doença causada por SARS-CoV-2. Aparentemente, a inatividade física será um dos principais fatores de risco de pior prognóstico em comparação com os fatores de risco modificáveis comumente citados, incluindo tabagismo, obesidade, diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares e câncer. Até mesmo os indivíduos em prática esporádica de atividade física apresentaram melhores resultados de sobrevida e menor taxa de internação do que os inativos.  

Referências bibliográficas:  

  • Coleman KJ, Ngor E, Reynolds K, et al. Initial validation of an exercise “vital sign” in electronic medical records. Med Sci Sports Exerc 2012;44:2071–6.  
  • da Silveira MP, da Silva Fagundes KK, Bizuti MR, et al. Physical exercise as a tool to help the immune system against COVID-19: an integrative review of the current literature. Clin Exp Med 2021;21:1–14.  
  • Katzmarzyk PT, Friedenreich C, Shiroma EJ, et al. Physical inactivity and noncommunicable disease burden in low-income, middle-income and high-income countries. Br J Sports Med 2021. doi:10.1136/bjsports-2020-103640.  
  • Nieman DC, Wentz LM. The compelling link between physical activity and the body’s defense system. J Sport Health Sci 2019;8:201–17. 
  • Piercy KL, Troiano RP, Ballard RM, et al. The physical activity guidelines for Americans. JAMA 2018;320:2020–8.  
  • Sallis R, Young DR, Tartof SY, Sallis JF, Sall J, Li Q, Smith GN, Cohen DA. Physical inactivity is associated with a higher risk for severe COVID-19 outcomes: a study in 48 440 adult patients. Br J Sports Med. 2021 Apr 13:bjsports-2021-104080.  
  • World Health Organization. World Health organization 2020 guidelines on physical activity and sedentary behavior, 2020. Available: https://bjsm.bmj.com/content/54/24/ 1451 

Autor: 

Rafael Duarte 

M.D., PhD. ⦁ Médico ⦁ Microbiólogo ⦁ Professor Associado / Lab. Micobactérias, Depto. Microbiologia Médica, Instituto de Microbiologia Paulo de Góes, Centro de Ciências da Saúde – Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Em conjunto com: 

Andreia Pizarro 

Pesquisadora do Centro de Investigação em Actividade Física, Saúde e Lazer (CIAFEL) / Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), Porto, Portugal. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *