Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Hecatombe nas estradas

Dados do Ministério da Saúde revelam a dimensão da tragédia: 36.666 brasileiros perderam a vida em acidentes automobilísticos em 2008 – o equivalente a cem mortes por dia – só nas rodovias federais, sem computar as vítimas nas estaduais e municipais. Os índices são trágicos e apontam ineficiência do poder público: em sete anos, morreram nada menos que 247.722 brasileiros em acidentes de trânsito. Daria para lotar três estádios do tamanho do Maracanã.

O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot, admitiu ontem que o estado precário das rodovias, deficiências no controle de velocidade e na sinalização contribuem para esses números de guerra. A Polícia Rodoviária Federal informou que houve aumento de 3,9% nas mortes só nos últimos 16 dias de 2009: foram 455 pessoas mortas nas estradas federais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *