0

A Democracia só pode se estabelecer se estiver consolidada na Cultura de uma Sociedade – jamais apenas como referência jurídica formal. Ou seja, a Democracia só é real, se estiver no cotidiano do comportamento individual e coletivo. Comportamento cotidiano de culto e cultivo, permanente e sempre renovado, de princípios, valores, instituições, tradições, estéticas, éticas e rotinas baseadas na igualdade de Direitos, quer políticos, sociais ou econômicos, entre todas as diversas condições e opções humanas, que partilhem desta mesma Cultura.

A Democracia precisa ser 360º. Não há Democracia pela metade. Segundo a Agência inglesa Oxfan, “o 1% mais rico do mundo ficou com quase 2/3 de toda riqueza gerada desde 2020 – cerca de US$ 42 trilhões -, seis vezes mais dinheiro que 90% da população global (7 bilhões de pessoas) conseguiu no mesmo período”. De onde é possível depreender que até a liberdade de voto formal de quem depende do emprego, ou de qualquer outra relação que controle seu sustento, é precária.

Portanto, se não há garantia do Direito de acesso igualitário aos insumos estruturantes da riqueza, principalmente conhecimento(educação), matérias primas e logística, daí crédito adequado e suporte jurídico, não há garantia real de exercício da liberdade.

Contudo, não há chance de se estabelecer uma Cultura democrática e combatermos as ditaduras que hoje se superpõem desde a político-jurídica à da tecnologia de informação e processamento do conhecimento, que perpetuam relações sociais de dominação baseadas sempre na ignorância e miséria, se nossa Sociedade continuar esperando que a solução venha “de cima” ou, pior, “de fora”. Enquanto não constituirmos uma esfera de instituições públicas para além das estatais, que expressem a vontade dos indivíduos em seus coletivos, identitários e territoriais, de modo a construirmos um programa de estratégias para a construção de uma Sociedade Democrática, jamais a teremos

João Tupinambá Arroyo
Prof João Tupinambá Arroyo, mestre em Economia, doutor em desenvolvimento, coordenador do Mestrado Profissional em Gestão de Conhecimentos da Universidade da Amazônia. Membro efetivo do IHGP.

    Unimed Belém descredencia laboratórios

    Anterior

    A urgência do amor na era da intolerância

    Próximo

    Vocë pode gostar

    Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *