Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Governadores encalacrados na delação

As delações premiadas do grupo JBS já atingiram em cheio ex-governadores e governadores de pelo menos cinco estados: Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Rio Grande do Norte. 

Wesley Batista disse que deu propina para o ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PDT), que pediu R$ 20 milhões em 2014, oferecendo em contrapartida a liberação de R$ 110 milhões de créditos do ICMS. R$ 9,8 milhões foram repassados por notas fiscais falsas e R$ 10,2 milhões por doações oficiais a vários candidatos. Cid, claro, nega.

Ricardo Saud falou que dava propina ao atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, em parcelas de R$ 300 mil que chegaram a R$ 3,6 milhões, desde agosto de 2013, quando Pimentel era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior na gestão de Dilma Rousseff.
O delator afirmou que Pimentel pediu o dinheiro para a campanha ao governo de Minas, e que tudo foi repassado para o escritório de advocacia Andrade, Antunes e Henriques, via notas frias. Fernando Pimentel alega falta de provas e que não tem qualquer ligação com o tal escritório. 

Já o enroladíssimo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) recebeu mais de R$ 27 milhões em propina da JBS, em troca uma fábrica na cidade de Piraí. O dinheiro serviria para financiar a campanha de Luiz Fernando Pezão ao governo do Rio e de candidatos a deputado e também à compra de apoio de partidos políticos. Cabral queria R$ 40 milhões. Acabaram fechando em R$ 27, 5 milhões. Pezão não participou das negociações. 

Wesley Batista delatou negociação semelhante com o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), que recebeu R$ 30 milhões em troca de concessão de créditos de ICMS no valor de mais de R$ 70 milhões. Os pagamentos foram feitos entre 2012 e 2014, de diversas formas, em dinheiro vivo, através de notas fiscais frias. E parte era paga por doleiro para terceiros que eles indicaram. Silval Barbosa também era candidato ao governo e pediu contribuição de campanha, além de vantagens indevidas. 

Em 2014 a JBS acabou sendo autuada pela Secretaria de Fazenda de Mato Grosso em cerca de R$ 180 milhões.
O dono, então, procurou o governador e, em reunião com os secretários de Fazenda e de Indústria e Comércio, decidiram confeccionar um documento retroativo, que estendia o Prodeic a todas as indústrias do Estado e livrava a JBS da autuação. Silval Barbosa nega.

Na delação de Saud, o governador do Rio Grande do Norte Robinson Faria e o filho dele, deputado federal Fábio Faria, ambos do PSD, são citados por terem recebido propina de R$ 10 milhões em dinheiro vivo, destinados à campanha eleitoral de 2014. Em troca, a JBS seria beneficiada em uma concorrência para privatização da Companhia de Águas e Esgotos do Estado. O governador diz que ele e o filho, Fábio, conheceram os representantes da JBS no período eleitoral, receberam doações da empresa e que todas foram registradas na Justiça Eleitoral, sem promessa de qualquer contrapartida, e que não pretende privatizar a Companhia de Águas e Esgotos do Estado.

Como diz aquele filósofo mudo; hummmm… hummmm…

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *