O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Fora da Ordem

Daqui a um tempo vamos voltar ao governo de Ana Júlia Carepa para estudá-lo com o rigor e a importância que ele merece. É fundamental deixar o tempo passar para analisá-lo; notadamente alguns de seus personagens, como Cláudio Puty; e as representações contruídas sobre a pessoa de Ana Júlia Carepa.

O blog da jornalista Ana Célia Pinheiro – aqui – trouxe mais um elemento importante à tona: a Auditora Geral do Estado, Tereza Cordovil: ex-Auditora pois pediu exoneração e saiu atirando; mas antes deixou importantes documentos em posse da Assembleia Legislativa.

Vá ao blog de Ana Célia Pinheiro e perceba a sensível diferença entre a primeira e a segunda ‘matéria” sobre a ex-auditora. Me aparece claro que a fonte não revelada da segunda matéria é a própria Tereza Cordovil.

É de um amadorismo a fala da ex-auditora que ‘dá dó’: ela não consegue dissimular os motivos que a levaram até o ponto da exoneração: vingança. Trata-se do clássico caso de sair do barco no momento mais estratégico e municiando os inimigos das melhores armas: informação e números.

Incrível é a ex-Auditora dizer que Ana Júlia Carepa é uma guerreira na primeira “matéria”; depois colocar em destaque que se sentiu desprestigiada pela governadora e ficou em dúvida de qual seria a posição da mesma; e aí resolveu apunhalar.

Interessante é que Cláudio Puty escreveu um dia desses um artigo com enredos shakesperianos, e eis que está às voltas com Otelo.

Parece que o ‘inacreditável’ é que Ana Julia Carepa não só é parte integrante desse “núcleo duro” como também é uma das estrategistas do grupo; mas só é descrita como guerreira quando o aparente dissenso do ‘núcleo” é reportado nos mídias.

Trata-se de uma mistura de ópera bufa com a clássica ‘política do bolso’ e do tilintar das moedas: me lembra por demais os textos dos federalistas norte-americanos, e da preocupação que eles tinham com as facções.

De fato, todos somos inocentes até que se prove o contrário, e, até lá, Tereza Cordovil tem muita coisa prá explicar sobre Cláudio Puty, Carlos Botelho, Ana Júlia Carepa, e tantos outros…

No momento temos um Executivo refém do Legislativo em um ‘trancamento de pauta’ que mais parece um blefe de Poker, daqueles que só os que estão acostumados na jogatina sabem a hora e o momento de blefar.”

(Marise Morbach, professora e doutora em Ciência Política, em seu blog /Norte)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *