Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Fim da era Sarney?

A grande novidade desta semana é o anúncio do senador José Sarney(PMDB), aos 84 anos, de não mais se candidatar, depois de 60 anos de carreira política, mandando e desmandando não só no Maranhão e no Amapá como em todo o País. Alegando que o motivo é a saúde delicada de Dona Marly, sua esposa, na verdade pesou a altíssima rejeição ao seu nome no Amapá, que culminou com estrondosa vaia, hoje, em Macapá, durante a visita da presidente Dilma Rousseff. 

O governador do Amapá, Camilo
Capiberibe (PSB), deu o golpe de misericórdia, depois de cinco vaias e dos gritos de “Fora, Sarney!”.
Ao final de seu discurso, disse que as ruas do conjunto habitacional do projeto “Minha Casa, Minha Vida” que a presidente foi entregar “homenageiam bravos brasileiros” que lutaram contra a ditadura militar, como Miguel Arraes (1916-2005), avô de Eduardo Campos(
PSB), Vladimir Herzog (1937-1975), Leonel Brizola (1922-2004) e Rubens Paiva (1929-1971). E fustigou: “É preciso lembrar e reverenciar os que ousaram lutar. A senhora (dirigindo-se à presidente da República) é um exemplo, lutou, e pagou um preço alto. Existem aqueles que se aliaram aos ditadores, não podemos esquecer, o Brasil não pode esquecer, pois senão poderemos voltar a viver aqueles anos tristes”. Ninguém no Brasil ignora que Sarney apoiou o regime militar implantado em 1964.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *