O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

Familiares de vítimas cobram informações

Passados
sete meses, mesmo com o resultado da CPI das Milícias e as
investigações da Promotoria de Justiça Militar, ainda não há
informações sobre os inquéritos que apuram a
s mortes em 4 de novembro de 2014, em bairros periféricos da Região Metropolitana de Belém. Familiares das vítimas entregaram uma Carta Aberta aos integrantes do Conselho de Segurança Pública do Estado do Pará (Consep) e também divulgam nota pública denunciando à sociedade que as vítimas estão sendo criminalizadas pela mídia. Diz um trecho da nota, publicada originalmente no Resistência online:

“Nós, familiares das vítimas da chacina ocorrida em novembro de 2014 na cidade de Belém, vimos a público reafirmar a memória de nossos entes queridos e dizer que não concordamos e repudiamos as informações falsas que vêm sendo repassadas para a sociedade através de redes sociais e por veículos de comunicação, em especial, por programas de televisão que abordam a criminalidade, fazendo-o de forma sensacionalista, sem cuidado na apuração da verdade e criminalizando as vítimas, como se as mesmas tivessem culpa por terem sido barbaramente assassinadas
.”

Leiam a íntegra da carta ao Consep aqui

Da mesma forma, até hoje não foi divulgado o resultado dos inquéritos sobre a morte da servidora pública federal Dayse de Almeida e Cunha. Transparência só pode fazer bem. A falta de informações torna tudo obscuro e favorece especulações.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *