Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Familiares de vítimas cobram informações

Passados
sete meses, mesmo com o resultado da CPI das Milícias e as
investigações da Promotoria de Justiça Militar, ainda não há
informações sobre os inquéritos que apuram a
s mortes em 4 de novembro de 2014, em bairros periféricos da Região Metropolitana de Belém. Familiares das vítimas entregaram uma Carta Aberta aos integrantes do Conselho de Segurança Pública do Estado do Pará (Consep) e também divulgam nota pública denunciando à sociedade que as vítimas estão sendo criminalizadas pela mídia. Diz um trecho da nota, publicada originalmente no Resistência online:

“Nós, familiares das vítimas da chacina ocorrida em novembro de 2014 na cidade de Belém, vimos a público reafirmar a memória de nossos entes queridos e dizer que não concordamos e repudiamos as informações falsas que vêm sendo repassadas para a sociedade através de redes sociais e por veículos de comunicação, em especial, por programas de televisão que abordam a criminalidade, fazendo-o de forma sensacionalista, sem cuidado na apuração da verdade e criminalizando as vítimas, como se as mesmas tivessem culpa por terem sido barbaramente assassinadas
.”

Leiam a íntegra da carta ao Consep aqui

Da mesma forma, até hoje não foi divulgado o resultado dos inquéritos sobre a morte da servidora pública federal Dayse de Almeida e Cunha. Transparência só pode fazer bem. A falta de informações torna tudo obscuro e favorece especulações.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *