Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Familiares de vítimas cobram informações

Passados
sete meses, mesmo com o resultado da CPI das Milícias e as
investigações da Promotoria de Justiça Militar, ainda não há
informações sobre os inquéritos que apuram a
s mortes em 4 de novembro de 2014, em bairros periféricos da Região Metropolitana de Belém. Familiares das vítimas entregaram uma Carta Aberta aos integrantes do Conselho de Segurança Pública do Estado do Pará (Consep) e também divulgam nota pública denunciando à sociedade que as vítimas estão sendo criminalizadas pela mídia. Diz um trecho da nota, publicada originalmente no Resistência online:

“Nós, familiares das vítimas da chacina ocorrida em novembro de 2014 na cidade de Belém, vimos a público reafirmar a memória de nossos entes queridos e dizer que não concordamos e repudiamos as informações falsas que vêm sendo repassadas para a sociedade através de redes sociais e por veículos de comunicação, em especial, por programas de televisão que abordam a criminalidade, fazendo-o de forma sensacionalista, sem cuidado na apuração da verdade e criminalizando as vítimas, como se as mesmas tivessem culpa por terem sido barbaramente assassinadas
.”

Leiam a íntegra da carta ao Consep aqui

Da mesma forma, até hoje não foi divulgado o resultado dos inquéritos sobre a morte da servidora pública federal Dayse de Almeida e Cunha. Transparência só pode fazer bem. A falta de informações torna tudo obscuro e favorece especulações.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *