O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

Fala o juiz do Trabalho Jônatas Andrade

A propósito do post “Signo e penhor da dignidade humana“, no qual relato processo sofrido por publicar a verdade, recebi, da lavra do juiz do Trabalho Jônatas Andrade, na minha página no Facebook e na caixinha de comentários do blog:

“Cara Franssinete, pela seriedade do seu trabalho e pelas muitas premiações que tens recebido em prol da causa do bem comum, receba nossa solidariedade. O que foi publicado é do interesse público, de reforço e aperfeiçoamento de nossas instituições, tendo as matérias se limitado a narrar fatos notórios, tratando-se do pleno direito à liberdade de expressão e do regular exercício do direito constitucional de informação.” *

*O juiz Jônatas Andrade é titular da 2ª Vara do Trabalho de Marabá, agraciado pela Presidência da República com o Prêmio Direitos Humanos, na categoria Erradicação do Trabalho Escravo, em 2012, e pelo Movimento Humanos Direitos com o Prêmio João Canuto, em 2013, magistrado ameaçado de morte por ter a coragem de lutar por um Brasil melhor. Sinto-me honrada e feliz por estar no lado certo do bom combate. Que o Poder Judiciário do Pará enxergue o que está por trás dos processos movidos por indivíduos como Sábato Rossetti, Gervásio Morgado e Luiz Afonso Sefer e dê um basta em tais tentativas de utilizar o TJE-PA para atingir objetivos pessoais de intimidação e cerceamento dos direitos amparados pela Constituição, Jurisprudência e a doutrina pátria!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *