Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Fala o juiz do Trabalho Jônatas Andrade

A propósito do post “Signo e penhor da dignidade humana“, no qual relato processo sofrido por publicar a verdade, recebi, da lavra do juiz do Trabalho Jônatas Andrade, na minha página no Facebook e na caixinha de comentários do blog:

“Cara Franssinete, pela seriedade do seu trabalho e pelas muitas premiações que tens recebido em prol da causa do bem comum, receba nossa solidariedade. O que foi publicado é do interesse público, de reforço e aperfeiçoamento de nossas instituições, tendo as matérias se limitado a narrar fatos notórios, tratando-se do pleno direito à liberdade de expressão e do regular exercício do direito constitucional de informação.” *

*O juiz Jônatas Andrade é titular da 2ª Vara do Trabalho de Marabá, agraciado pela Presidência da República com o Prêmio Direitos Humanos, na categoria Erradicação do Trabalho Escravo, em 2012, e pelo Movimento Humanos Direitos com o Prêmio João Canuto, em 2013, magistrado ameaçado de morte por ter a coragem de lutar por um Brasil melhor. Sinto-me honrada e feliz por estar no lado certo do bom combate. Que o Poder Judiciário do Pará enxergue o que está por trás dos processos movidos por indivíduos como Sábato Rossetti, Gervásio Morgado e Luiz Afonso Sefer e dê um basta em tais tentativas de utilizar o TJE-PA para atingir objetivos pessoais de intimidação e cerceamento dos direitos amparados pela Constituição, Jurisprudência e a doutrina pátria!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *