O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Ex-prefeito de Salinas foi condenado

O ex-prefeito de Salinópolis Raimundo Paulo dos Santos Gomes, o Di Gomes, foi condenado em Ação Civil Pública pela prática de ato administrativo que causou dano ao erário. De acordo com o MPE-PA, “a referida conduta, constatada no mês de agosto de 2005, por ocasião da gestão do ex-prefeito, consistiu na lavratura de autos de infração, por parte da Delegacia Regional do Trabalho, que constatou irregularidades na obra de reforma na sede da Prefeitura Municipal de Salinópolis, cuja contratação da empresa responsável não obedeceu aos princípios da licitação pública, tendo inclusive constatado a presença irregular de trabalhadores no local”. Por conta disso, o município deve, em valores de 2007, R$ 1.127.000,00, objeto de processo de execução de título extrajudicial na Vara Federal do Trabalho de Capanema. Di Gomes deverá ressarcir integralmente o dano, em valor corrigido pelo INPC, com juros de mora de 1% ao mês, e teve suspensos os direitos políticos por seis anos. Também terá que pagar multa de uma vez o valor do dano, atualizado pelo INPC e acrescido de juros de 1% ao mês a partir da sentença, e ainda está proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios e incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, mesmo que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio, pelo prazo de cinco anos, devendo ter o nome inscrito no Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa, nos termos da Resolução n.º 44 e Provimento n.º 29/2013, do CNJ. A decisão é de primeiro grau e dela cabe recurso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *