Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Ex-prefeito de Marituba condenado

O ex-prefeito de Marituba Antonio Armando Amaral de Castro foi condenado pela prática de improbidade administrativa, durante os períodos de 2001-2004 e 2005-2008. A ação foi proposta pelo próprio município e acompanhada pelo promotor de Justiça José Edvaldo Pereira Sales. 

Durante sua primeira gestão, o município firmou convênio registrado sob o nº FDE 652/02 com o Estado do Pará, através da então Secretaria Executiva de Planejamento e Coordenação Geral, pelo qual foram repassados R$ 600 mil e cujo objeto era a construção de um ginásio poliesportivo em Marituba.
A obra não foi executada e, por isso, o município ficou inadimplente. 

Na ação, o Ministério Público do Estado requereu a procedência parcial, já que também foi alegado o enriquecimento ilícito, que não ficou demonstrado. A sentença é a proibição de contratar com o poder público ou por qualquer meio receber deste, direta ou indiretamente, benefícios fiscais e creditícios pelo prazo de cinco anos, ainda que por intermédio de pessoa jurídica do qual seja sócio majoritário; a obrigação de ressarcimento integral do dano, atualizado monetariamente pela taxa Selic; multa civil no valor de duas vezes o valor do dano, o que totaliza R$ 1,2 milhão, também a serem atualizados monetariamente e a suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos. Antonio Armando foi, ainda, condenado em custas processuais, bem como ao pagamento de honorários advocatícios na ordem de 10% sobre o valor da condenação. 

Houve interposição de recurso e agora seguem os autos para o TJE-PA, onde será julgada a apelação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *