Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Em “401”, Gabriella Florenzano evidenciou miscigenação

Fotos: Jean Brito
O público que prestigiou o recital “401”, da cantora lírica Gabriella Florenzano, no dia do aniversário de Belém do Pará, chegou cedo e aproveitou para apreciar a beleza arquitetônica do Museu do Estado do Pará e as obras de arte espalhadas por toda a belíssima edificação. 
O MEP é mesmo uma atração à parte, que combina em tudo com a programação cultural que oferece. O antigo Palácio do Governo foi construído em meados do século XVII (1.751) pelo arquiteto Antônio Landi, por ordem do Marquês de Pombal, que queria transferir a corte portuguesa ao Pará. No final da década de 1980, se transformou em Museu. As galerias Antônio Parreiras e Manoel Pastana são destinadas a exposições temporárias. Já os salões nobres abrigam o mobiliário histórico – parte trazida da Europa e parte confeccionada nas oficinas da antiga Escola de Artífices -, armas, porcelanas, fotografias, prataria, acessórios, esculturas e quadros de renomados artistas, inclusive o acervo arqueológico, em exposição permanente.
Duas telas grandiosas impressionam os visitantes: “A Fundação da Cidade de Nossa Senhora de Belém do Pará”, de Theodoro Braga, datada de 1908, que mostra o encontro entre portugueses e índios no primeiro passo para a formação da cultura do povo paraense; e a pintura que retrata a conquista do Rio Amazonas por Pedro Teixeira, feita por Antônio Parreiras, em 1907, e que demorou quatro anos para ser concluída. A relíquia tem oito metros de largura por quatro metros de altura, com moldura revestida com pó de ouro, e pesa uma tonelada. 

Na Sala das Artes, nem o ruído do voo de um carapanã foi ouvido durante o recital. Nada de pigarros e conversas paralelas. A plateia educadamente desligou e guardou os celulares, ficou em silêncio e se deixou enlevar pela música. E assim desfilaram Eja, Mater, fons amoris – Stabat Mater, de Giovanni Pergolesi; Du Ring an meinem Finger – Frauenliebe und Leben, de Robert Schumann; Les Berceaux, de Gabriel Fauré; Ária, de Eugéne Bozza; Mágoas de Crioulo, de Tó Teixeira; Valsinha do Marajó, de Waldemar Henrique; Floresta Adormecida (à profª Helena Maia), de Altino Pimenta; Abaluaiê, de Waldemar Henrique; Ponteio nº49 (em homenagem a Alexander Scriabin), de Camargo Guarnieri; Venga Pur – Mitridate, rendi Ponto, de Mozart; Cruda Sorte – L’Italiana in Algeri, de Gioacchino Rossini e I Got Rhythm, de George Gershwin, com direito a bis. Marcos Puff apresentou, ainda, o solo de sax “Rio Guajará Mirim”, música minimalista que compôs inspirada pelo rio que banha a histórica cidade de Vigia de Nazaré. 

O repertório foi pensado como reflexo da miscigenação brasileira, misturando compositores paraenses, árias de óperas, canções francesa, alemã e americana e, como não poderia faltar, um canto à Mãe, que é a padroeira de todos os paraenses, de modo a revelar essa Belém única, ponto de convergência de várias culturas. A direção musical é de Jena Vieira, coordenadora do Estúdio Ópera do Conservatório Carlos Gomes. 

Ao abrir oficialmente a temporada 2017 do programa “Bravíssimo”, acompanhada pela pianista Leandra Vital, com participação especial do clarinetista e saxofonista Marcos Cardoso Puff, Gabriella Florenzano contou ao público que se considera privilegiada por ter nascido e crescido em Belém e extremamente feliz em ter sempre oportunidade de fazer música na sua terra natal. 

O lindo espaço do MEP é vivo, muito bem dirigido pelo artista plástico Sérgio Melo e seu vice-diretor, o museólogo Antonio Eutálio Corrêa, cuja gestão escancarou as portas do palácio Lauro Sodré à população, democratizando o acesso popular às artes e aproximando os artistas do público. O projeto Bravíssimo é uma realização do Governo do Estado, via Secretaria de Estado de Cultura e Sistema Integrado de Museus e Memoriais do Pará. 

Gabriella já cantou em diversos teatros em São Paulo(SP), Curitiba(PR), Florianópolis(SC), Belo Horizonte(MG) e no Rio de Janeiro(RJ). Em Verona (Itália), fez recitais na Basílica de Sant’Anastasia, na igreja de San Giorgetto e no Castel Vecchio. Gosta de se dizer fruto da musicalidade parauara. Seu repertório é coalhado de lendas e mitos amazônicos, dos compositores eruditos paraenses. Quem quiser assistir seus vídeos e ver fotos pode acessar a fan page https://www.facebook.com/gabriellaflorenzano.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *