Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Duciomar está inelegível por 8 anos

Fim da linha para o ex-prefeito de Belém, Duciomar Costa(PTB), que perdeu no TRE-PA o recurso à decisão da 96ª Zona Eleitoral, em processo de 2008, por irregularidades eleitorais, como propaganda institucional desvirtuada e uso de recursos públicos em sua candidatura à reeleição. A condenação por conduta vedada, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, gera inelegibilidade por 8 anos a contar do final do mandato a que ele concorreria. Assim, são 8 anos a partir de 2012 (já que a irregularidade ocorreu nas eleições de 2008).  Em eventual recurso para o TSE, como é recurso especial, não é possível examinar provas, só matéria de direito. 

A relatora do processo, juíza Eva do Amaral Coelho, condenou Duciomar por conduta vedada e mandou cancelar o registro de candidatura (que, por sinal, está pendente de decisão pelo TRE-PA, em sede de embargos de declaração), aplicando o caput do artigo 15 da Lei Complementar 64/90, que diz: “Transitada em julgado ou publicada a decisão proferida por órgão colegiado que declarar a inelegibilidade do candidato, ser-lhe-á negado registro, ou cancelado, se já tiver sido feito, ou declarado nulo o diploma, se já expedido.(redação dada pela Lei Complementar nº 135/2010), no que foi seguida pela maioria do plenário do TRE-PA.

Há, ainda, contra Duciomar Costa, um processo de registro, sob relatoria do juiz João Batista, que, com a decisão em mãos, pode ouvir o candidato, por questão formal, mas depois deverá indeferir o registro, com base na condenação por conduta vedada tomada hoje, e levar seu voto ao pleno do TRE, para decisão colegiada de indeferimento do registro. Conforme o procurador regional eleitoral Alan Mansur, que fez a sustentação oral pela condenação, o processo por conduta vedada está muito bem instruído com provas de centenas de placas que serviram como propaganda institucional desvirtuada, e também a utilização do programa passe livre de forma eleitoreira. 

O procurador Alan Mansur não acredita que ele conseguirá reverter a decisão no TSE. Em relação ao registro, opina que Duciomar até poderá discutir e concorrer sub judice, mas, mesmo que ganhasse a eleição – o que é praticamente impossível, diante de seu desempenho nas pesquisas -, fatalmente haveria um recurso contra a expedição de diploma para discutir inelegibilidade superveniente. 

O processo que rendeu a inelegibilidade de Duciomar Costa foi ajuizado pelo então candidato a prefeito de Belém José Priante(PMDB), que ficou em 2º lugar nas eleições 2008. O MP eleitoral também colheu várias provas e atuou como fiscal da lei. O parecer foi feito pelo então procurador regional eleitoral Ubiratan Cazetta, em 2010. Que, coincidentemente, faz aniversário hoje. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *