Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

TST reconhece vínculo de plantonista

Anotem esta que serve por analogia para muita gente:
 a Oitava Turma do TST condenou a Santa Casa de Misericórdia de Santa
Bárbara D´Oeste(SP) a pagar verbas rescisórias a um médico que prestou serviços
à entidade por quase quatro anos. Para a ministra Dora Maria da Costa,
relatora, ficou evidenciado que o profissional prestou serviços de forma
onerosa e não eventual, além de ter subordinação jurídica com o hospital,
elementos caracterizadores da relação de emprego. Na reclamação trabalhista,
o médico narrou que foi contratado como plantonista de pediatria sem a
assinatura da carteira de trabalho para trabalhar na Santa Casa e,
paralelamente, na Prefeitura Municipal de Santa Bárbara(SP). Dois anos depois,
para tentar “mascarar a relação de emprego”, foi orientado a abrir
uma empresa para emitir notas fiscais pelos serviços prestados.

Ao requerer
o reconhecimento do vínculo, perante o 
TRT da 15ª Região (Campinas/SP), alegou que era subordinado ao hospital, que não
podia mandar outra pessoa no seu lugar, tinha que cumprir horário e recebia
salário fixo mensal. Sustentou que é ilícita a contratação de trabalhador como
pessoa jurídica e que qualquer forma utilizada que não a celetista deve ser
considerada como fraude à lei.

O hospital
contestou argumentando que o médico era autônomo e, como plantonista, não tinha
vínculo de emprego. Que ele podia ser substituído e tinha autonomia para
escolher horários e a frequência dos plantões.  

Mas a
própria preposta da Santa Casa acabou entregando a natureza da relação. Ela
admitiu que o médico sofria advertências do diretor clínico por fazer
atendimento voluntário e atender crianças residentes em abrigos, “o que
seria proibido pela Santa Casa de Misericórdia”. E contou que, como o
horário do plantão era corrido, o médico não podia se ausentar, e que o
controle das escalas era feito pelo diretor clínico do hospital. 

No
TST, a relatora, ministra Dora Maria da Costa, destacou ser evidente a presença dos requisitos do artigo 3° da CLT e dos elementos essenciais à configuração da
relação de emprego: trabalho prestado por pessoa física, com pessoalidade,
onerosidade, não eventualidade e subordinação jurídica. Observou que o
depoimento da preposta caracterizou verdadeira confissão quanto à subordinação.
Assim, não conheceu do recurso, no que foi acompanhada à unanimidade
por seus pares. A Santa Casa opôs embargos declaratórios, ainda não julgados. 


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *