Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Está cada vez mais down o high society

O juiz Gabriel Costa Ribeiro concedeu tutela
antecipada a Charlia Lopes Moreira e outros, que pedem a nulidade de compra e
venda de mais de 2/3 (cerca de 542 mil metros quadrados) de um terreno da
Associação Agropecuária Rondonense para a empresa Valle Empreendimentos
Imobiliários Ltda. . Afirmam que foi vendido
irregularmente,
em outubro de 2011,
pelos diretores da associação, João Malcher Dias Neto, Ênio
Jouguet Barbosa e Carlos Alberto Ribeiro de Aquino,
sem autorização da Assembleia
Geral, como prevê o estatuto da entidade, e com valor abaixo do praticado no
mercado. A
valiada em R$ 50 milhões, a
área saiu por R$600 mil. Também acusam os diretores de terem falsificado ata de
Assembleia Geral, de modo a dar aparência legal à transação.
 

O magistrado determinou o bloqueio dos R$ 600
mil, das contas bancárias e dos bens imóveis dos acusados. Para evitar que o
terreno seja utilizado ou vendido antes do julgamento do mérito da ação, bloqueou
a matrícula do imóvel. E a Valle está proibida de comercializar, construir ou
fazer mudança de qualquer natureza no imóvel até a sentença final.

O juiz explicou que “se o Estatuto é taxativo quando exige a manifestação
expressa de seus associados para legitimar a alienação de imóveis, não pode o
presidente, em detrimento da opinião dos outros associados, alienar qualquer
bem imóvel que constitui o patrimônio da Associação, pois não houve
manifestação de vontade dos associados, verdadeiros legitimados, razão por que
o ato é nulo”.
O
presidente da associação, João Malcher Dias Neto, tem prazo de cinco dias para
apresentar ao juiz a Ata da AG e a listagem dos nomes de todos os associados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *