Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Detran-PA volta a fiscalizar em Salinas

A desembargadora Nadja Nara Cobra Meda suspendeu a incrível liminar do juiz de Salinópolis que proibia o Detran-PA de fiscalizar o trânsito na zona urbana da cidade, bem como na PA-124 e PA-444, que – é digno de ênfase – são rodovias estaduais.
A magistrada realçou a necessidade de proteger o direito fundamental à vida, bem como o fato de que o município de Salinópolis não providenciou a efetiva municipalização do trânsito e, consequentemente, não pratica qualquer fiscalização no trânsito da cidade, onde são notórios os atropelamentos, inclusive por pessoas que dirigem alcoolizadas no trajeto de ida e vinda das praias. 

Frisando que a omissão do gestor municipal não pode ser justificativa para cometimento de irregularidades no trânsito e nem de prática de atos
que podem ter como consequência a morte de indeterminado número de pessoas em razão da falta de segurança e fiscalização do
trânsito, a desembargadora observou, ainda, que nesta época do ano Salinas recebe enorme população flutuante e a falta de fiscalização pode pode causar gravíssima e irreparável
lesão à coletividade, vez que é inadmissível para o Direito a existência de uma terra ‘sem lei’ no trânsito. 

Está certíssima  a magistrada. Prevaleceu o bom senso.

 Cliquem aqui para visualizar a decisão na íntegra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *