A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Detran-PA volta a fiscalizar em Salinas

A desembargadora Nadja Nara Cobra Meda suspendeu a incrível liminar do juiz de Salinópolis que proibia o Detran-PA de fiscalizar o trânsito na zona urbana da cidade, bem como na PA-124 e PA-444, que – é digno de ênfase – são rodovias estaduais.
A magistrada realçou a necessidade de proteger o direito fundamental à vida, bem como o fato de que o município de Salinópolis não providenciou a efetiva municipalização do trânsito e, consequentemente, não pratica qualquer fiscalização no trânsito da cidade, onde são notórios os atropelamentos, inclusive por pessoas que dirigem alcoolizadas no trajeto de ida e vinda das praias. 

Frisando que a omissão do gestor municipal não pode ser justificativa para cometimento de irregularidades no trânsito e nem de prática de atos
que podem ter como consequência a morte de indeterminado número de pessoas em razão da falta de segurança e fiscalização do
trânsito, a desembargadora observou, ainda, que nesta época do ano Salinas recebe enorme população flutuante e a falta de fiscalização pode pode causar gravíssima e irreparável
lesão à coletividade, vez que é inadmissível para o Direito a existência de uma terra ‘sem lei’ no trânsito. 

Está certíssima  a magistrada. Prevaleceu o bom senso.

 Cliquem aqui para visualizar a decisão na íntegra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *