A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Detran-PA volta a fiscalizar em Salinas

A desembargadora Nadja Nara Cobra Meda suspendeu a incrível liminar do juiz de Salinópolis que proibia o Detran-PA de fiscalizar o trânsito na zona urbana da cidade, bem como na PA-124 e PA-444, que – é digno de ênfase – são rodovias estaduais.
A magistrada realçou a necessidade de proteger o direito fundamental à vida, bem como o fato de que o município de Salinópolis não providenciou a efetiva municipalização do trânsito e, consequentemente, não pratica qualquer fiscalização no trânsito da cidade, onde são notórios os atropelamentos, inclusive por pessoas que dirigem alcoolizadas no trajeto de ida e vinda das praias. 

Frisando que a omissão do gestor municipal não pode ser justificativa para cometimento de irregularidades no trânsito e nem de prática de atos
que podem ter como consequência a morte de indeterminado número de pessoas em razão da falta de segurança e fiscalização do
trânsito, a desembargadora observou, ainda, que nesta época do ano Salinas recebe enorme população flutuante e a falta de fiscalização pode pode causar gravíssima e irreparável
lesão à coletividade, vez que é inadmissível para o Direito a existência de uma terra ‘sem lei’ no trânsito. 

Está certíssima  a magistrada. Prevaleceu o bom senso.

 Cliquem aqui para visualizar a decisão na íntegra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *